Toyota SW4 tem visual renovado e traz as mesmas evoluções da irmã Hilux

Modelo segue com design frontal diferente da picape, mas replica a mecânica da picape e segue liderando mercado de SUVs de grande porte

134
Toyota SW4 tem visual renovado
Novo visual frontal do Toyota SW4: design mais comportado que o da irmã picappe

Toyota SW4 tem visual renovado

Uma semana depois de apresentar a renovação de meia-vida da Hilux, a Toyota lança a versão 2021 do SUV de grande porte SW4, também fabricado em Zárate, na Argentina, sobre o mesmo chassi e base mecânica da irmã picape, mas com design frontal que desde 2014 se descolou dessa origem. Apesar das diferenças visuais, o novo SW4 traz as mesmas evoluções da Hilux: motor diesel 15% mais potente (salto de 177 para 204 cavalos), dianteira redesenhada, melhorias no infoentretenimento e conectividade, além da introdução de sistemas de segurança ativa mais sofisticados no topo de linha da gama.

Este ano, sob o impacto da pandemia que paralisou a produção em Zárate por dois meses, as vendas do SW4 no Brasil (seu maior mercado na América Latina) caíram 40% nos primeiros dez meses do ano na comparação com o mesmo período de 2019, com 6,6 mil unidades emplacadas de janeiro a outubro. Ainda assim, o volume foi mais que suficiente para manter intacta a liderança do modelo que domina cerca de 60% do mercado de SUVs de grande porte, com vendas em 2020 quase três vezes maiores que o do segundo colocado, o Chevrolet Trailblazer.

Com o modelo renovado e a volta da produção para níveis regulares, a expectativa da Toyota é que as vendas do SUV voltem ao patamar em torno de mil unidades/mês, 12 mil por ano, número que vem sendo repetido com poucas variações nos últimos anos. “Esse volume varia pouco, mesmo com as notícias de renovação do SW4 este ano a demanda continuou igual, tanto que não sobrou nas concessionários nenhuma unidade da versão anterior”, destaca Vladimir Centurião, diretor de vendas e marketing da fabricante no Brasil.

Toyota SW4 tem visual renovado
A versão diesel SRX 4×4 do SW4 tem forte apelo off-road e representa 80% das vendas do SUV

O SW4 2021 chega às concessionárias brasileiras da Toyota ainda esta semana e será vendido em quatro versões, duas SRX com o motor diesel 2.8 de 204 cavalos e tração 4×4, ambas no topo da gama com a única variação de ter cinco ou sete assentos (R$ 309,7 mil e R$ 314,8 mil, respectivamente). As duas devem continuar a representar 80% das vendas do SUV, segundo indica Centurião. As outras duas opções 4×2 são equipadas com o beberrão motor flex 2.7 de 163 cv com etanol e 159 cv com gasolina, a mais barata da linha é a SR (R$ 202,4 mil) com cinco lugares e rodas menores de 17” e a SRV (R$ 221,1 mil) vem dois bancos extras e rodas de 18”, as mesmas da versão SRX. Para todas as verões a transmissão é automática de seis marchas.

Em média, os preços do SW4 2021 subiram 6% em relação ao modelo anterior. “Basicamente só adicionamos aos preços os custos dos equipamentos que acrescentamos, procuramos manter os valores competitivos dentro da categoria. Com alta do dólar foi impossível manter os valores inalterados”, explica Centurião. O modelo é produzido em Zárate com índice de conteúdo local do Mercosul próximo do mínimo exigido de 65%, inclusive os motores são montados na planta argentina, mas a inclusão de novos sistemas eletrônicos importados de fora do bloco econômico pressionam os custos de produção para cima.

Na traseira, lanternas afiladas de LED conferem design mais refinado

Evoluções do SW4 2021

Desde o fim dos anos 1990, quando a Toyota começou a produzir o SUV na região, SW4 era só um sobrenome da versão cabinada da Hilux e isso só mudou em 2014 com o lançamento do modelo 2015, quando a fabricante decidiu descolar o design dianteiro da picape para conferir ao utilitário esportivo um aspecto mais sofisticado e familiar, mais próximo dos desejos de seu público alvo. Na renovação para 2021 essa opção foi aprofundada e a aparência do SW4 se distanciou ainda mais do jeito sisudo da recém-renovada Hilux.

Justamente na dianteira estão as principais modificações no visual do SW4, com novos faróis (de LED nas versões diesel SRX) e desenho da grade frontal. O interior recebeu uma nova combinação de cores, com predominância do preto no estofamento e painéis das portas, e aplicações de cinza no painel e console central. O quadro de instrumentos foi renovado com velocímetro e taquímetro com fundo azul.

Algo que foi ajustado nas versões cabine dupla da picape e não precisou ser mexido no SUV foi a suspensão, que no caso do SW4 já tinha calibragem para privilegiar o conforto, algo que seguiu o caminho contrário e agora foi introduzido nas opções da Hilux mais voltadas ao uso familiar.

No mais, o SW4 2021 segue rigorosamente as mesmas evoluções já apresentadas na Hilux, a começar pelo mesmo ganho de potência com aplicação de um novo turbocompressor ao motor diesel. A central multimídia com tela tátil de 8 polegadas também é igual: além de navegação por GPS, TV digital, rádio MP3, câmera de ré, entrada USB e conexão Bluetooth, agora tem espelhamento do smartphone via Android Auto ou Apple Car Play.

No interior, SW4 2021 recebeu novas cores de revestimentos e a mesma central multimídia da Hilux, com tela tátil de 8 polegadas

Entre os sistemas de segurança de série, todas as verões têm freios ABS com distribuição eletrônica de frenagem (EBD), assistência de frenagem emergencial (BAS), controle eletrônico de Tração (A-TRC) e estabilidade (ESC), assistente de reboque (TSC) e de partida em rampa (HAC), sete airbags (dois frontais, dois laterais, dois de cortina e um para o joelho do motorista), cintos de segurança dianteiros de três pontos com pré-tensionador e limitador de carga e de três pontos na segunda e terceira fileira de assentos e engate Isofix para fixação de cadeiras para crianças no banco traseiro.

Adicionalmente, assim como na Hilux o SW4 diesel SRX é equipado com assistente de descida (DAC) e o pacote de segurança ativa Toyota Safeety Sense, que inclui regulador adaptativo de velocidade de cruzeiro (ACC, que freia e acelera automaticamente mantendo distância pré-determinada do veículo à frente), alerta e frenagem automática de emergência e assistente de permanência em faixa de rodagem.