Toyota sustenta novo recorde de vendas no Brasil

Mas crise na Argentina prejudicou resultado na América Latina

60
recorde de vendas
Toyota Corolla

Recorde de vendas

Em 2019 Toyota conseguiu manter a regularidade de seu crescimento e comemorou novo recorde de vendas no Brasil, pelo segundo ano consecutivo. Com 215,7 mil carros emplacados no País no ano passado no ano passado, a alta foi de 7,8% sobre o recorde anterior de 2018. O crescimento foi rigorosamente igual à média do mercado brasileiro de veículos leves, suficiente para manter a participação no País de 8,1% e fazer a Toyota subir do sétimo para o sexto lugar no ranking das marcas mais vendidas.

Mas o resultado no Brasil não foi suficiente para compensar totalmente o naufrágio do mercado argentino. Com isso, pelo primeiro ano foi interrompido o ciclo de crescimento contínuo iniciado em 2013, quando foi criada a divisão América Latina da companhia japonesa. Em 2019 a Toyota vendeu 407 mil carros nos 40 países que integram a região, em queda de 7,7% em relação ao pico de 441 mil de 2018.

“Nossas vendas, produção e rede vêm crescendo nos 40 países da região. Os volumes avançaram 37% (de 2012 a 2018) desde que criamos a divisão, mostrando que foi uma decisão acertada. Vamos continuar fortalecendo nossas operações, avançando passo a passo”, comentou Masahiro Inoue, CEO da Toyota América Latina.

 

Massa, como é conhecido, substituiu em abril passado o americano Steve St. Angelo, que inaugurou em 2013 o posto de comando da recém-criada Toyota América Latina e Caribe (TALC). Ele já tinha passado pelo Brasil entre 2011 e 2013 e até o ano passado ficava na sediado no Japão, onde era o vice-chefe executivo responsável pela região latino-americana da empresa. “Lá eu era o único executivo da companhia que fala português”, diz.

Foi uma escolha natural, que acabou aumentando a independência da divisão. Em julho, todas as 45 pessoas que trabalhavam em Tóquio na equipe comercial para a América Latina foram transferidas para um novo escritório regional em Buenos Aires, na Argentina. “O Brasil continuará sendo a casa matriz da engenharia para a divisão”, explica Massa.

NO BRASIL, MERCADO EM ALTA E PRODUÇÃO EM BAIXA

 

A pronunciada crise econômica na Argentina também puxou para baixo a produção das fábricas brasileiras da Toyota, especialmente em Sorocaba (SP) onde em junho foi necessário encerrar o terceiro turno de trabalho iniciado meses antes, com a demissão 740 pessoas e outras 100 na planta de motores de Porto Feliz (SP).

A Toyota produz as famílias hatch e sedã do Etios e Yaris em Sorocaba o sedã médio Corolla em Indaiatuba. As duas plantas do interior paulista produziram 188 mil carros em 2019, em queda de 10% sobre o recorde de 209 mil de 2018.

“A situação na Argentina interrompeu nossos planos de expansão da produção, tivemos de encerrar o terceiro turno em Sorocaba. Mas felizmente conseguimos manter o bom resultado no Brasil, onde este ano esperamos crescer novamente na mesma proporção do mercado”, disse Rafael Chang, presidente da Toyota do Brasil.

 

Não foi de todo ruim. A produção de 188 mil carros no Brasil está bastante próxima da capacidade máxima instalada das duas fábricas brasileiras com trabalho em dois turnos – como ocorre agora.

Indaiatuba, que tem potencial para 70 mil unidades/ano, recebeu investimentos de R$ 1 bilhão para produzir a nova geração do Corolla sobre a moderna plataforma TNGA. O novo sedã lançado em setembro passado continua a ser o carro mais vendido da Toyota no País e lidera o segmento de sedãs médios com larga vantagem sobre o segundo colocado Honda Civic.

A inédita versão híbrida com motor flex do Corolla, mesmo sendo mais cara, é um sucesso instantâneo: a empresa esperava que representasse não mais do que 15% das vendas do modelo, mas o porcentual chega a 40%, o que formou fila de espera de quatro meses, hoje reduzida para um mês. Como motorização e transmissão do Corolla híbrido são importados, de início houve falta dos componentes para produzir o carro.

“O problema é que a procura por nossas versões híbridas aumentou muito no mundo todo e precisamos batalhar para trazer mais para cá”, explica Chang. “Até na Colômbia, para onde começamos a enviar o novo Corolla, a procura pelo híbrido nos surpreendeu. Mas estamos conseguindo aos poucos normalizar as entregas.”

Em Sorocaba, a produção também está próxima da capacidade de 108 mil carros/ano em dois turnos. Houve redução na procura pelos Etios hatch e sedã, que somaram 32,2 mil unidades vendidas no País, em forte retração de 34% sobre o ano anterior. Mas o movimento acabou sendo compensado pelo primeiro ano inteiro de vendas dos Yaris hatch e sedã, que com 67,4 mil emplacamentos em 2019 venderam o dobro de 2018, quando as duas versões foram lançadas já no meio do ano.

A fábrica deverá acelerar o ritmo em 2021, quando será consolidado o investimento em curso de R$ 1 bilhão anunciado em setembro passado para a produção de um novo carro em Sorocaba. A Toyota não confirma qual será o modelo, mas fontes de mercado dão como certa a fabricação do primeiro SUV nacional da Toyota, construído sobre a plataforma TNGA, a mesma do novo Corolla.