Ford cai e já é apenas a sétima marca no ranking de vendas

Um ano atrás montadora ainda brigava pelo quarto lugar

99

na 7ª colocaçãoFord na 7ª colocação

Encerrado o primeiro bimestre do mercado brasileiro de veículos, o que mais chama a atenção é o desempenho da Ford. Um ano depois de anunciar o fechamento da fábrica de São Bernardo do Campo (SP), interromper a produção local do Fiesta e encarrar a importação de outros modelos, a montadora norte-americana despencou no ranking das marcas mais vendidas.

Integrante histórica das chamadas Quatro Grandes — como ficaram conhecidas Fiat, Ford, General Motors e Volkswagen, que por décadas lideraram com folga o mercado interno —, a marca agora aparece na 7ª colocação, com 29,5 mil licenciamentos e participação de 7,8%, praticamente a metade do que obtiveram as três antigas rivais no período.

No primeiro bimestre do ano passado, a Ford  vendera 31,8 mil unidades, equivalente a 8,3%dos emplcamentos totais de automóveis e comerciais leves. A queda na comparação anual, portanto, é da ordem de 20%, enquanto o mercado interno recuou 1%.

Ford Ka Sedan - Titanium 2019

Ka Sedan e Ka representam dois terços dos Ford negociados no Brasil

Com poucas novidades de peso no curto prazo, dificilmente a Ford voltará a brigar pelos primeiros lugares novamente. Na verdade, a marca se fia agora somente em seus dois nacionais Ka e EcoSport, além da picape Ranger, fabricada na Argentina, para sustentar sua rede. Só Ka e Ka Sedan somaram 21,7 mil licenciamentos no primeiro bimestre, 74% do total negociado pela Ford.

Os atuais modelos importados e os futuros, como o SUV Territory, que até o fim do semestre chega da China e posteriormente será fabricado na Argentina, não representarão volumes a ponto de recolocar a marca de volta entre as Quatro Grandes, pelo menos mantida a anunciada estratégia global da empresa de se concentrar em  utilitários esportivos e picapes.

Atrás da Ford no bimestre,aparece a Jeep, com 5% do mercado interno e mais de 18,5 mil emplacamentos. O número é 4% maior do que a frota licenciada em igual período do ano passado. Só em fevereiro, foram  10,1  mil unidades

Se a Ford se esforça agora por resultados mais modestos do ponto de vista de mercado, as demais três marcas veteranas seguem na mesma toada histórica. Quase nada mudou entre as marcas líderes dno primeiro bimestre. General Motors, com 69,2 mil emplacamentos e participação de 18,4%, Volkswagen, que negociou 61,1 mil unidades, equivalentes a 16,2% de penetração,  e Fiat, com 52,4 mil e 13,9%, repetiram inclusive na mesma ordem de 2019.

Chama a atenção, porém, os expressivos crescimentos, acima de meio ponto porcentual, das duas primeiras. No mesmo período do ano passado, a fatia da GM representava 17,9% dos licenciamentos, enquanto a da Volkswagen ficou em 15,6%. A Fiat repetiu o desempenho e a Renault, que em 20219, pela primeira vez, foi a quarta mais mais vendida em um ano, com 9% de penetração, caiu mais de 1 ponto porcentual em 2020.

A montadora francesa só não perdeu essa posição por meros 3, sim, três, veículos. Diante de 29.886 Renault emplacados, foram 29.883 Toyota e 29.728 Hyundai. Com certeza, as três marcas protagonizarão a briga mais acirrada ao longo de 2020.


Foto: Ford/ Divulgação