Fabricantes de veículos devem parar a produção no Brasil

Anfavea informa que todas as montadoras estão se preparando para adotar medidas de paralisação

81

Fabricantes de veículosFabricantes de veículos

O aumento rápido do número de casos confirmados do novo coronavírus (Covid-19) deve parar totalmente a produção de veículos no Brasil. Em comunicado divulgado na quinta-feira, 19, a Anfavea, entidade que reúne as fabricantes do setor, informa que todas as suas associadas estão se preparando para adotar medidas de paralisação em suas fábricas de automóveis, caminhões, ônibus, máquinas agrícolas e de construção espalhadas pelo País.

Na nota, a entidade reforça que o foco é a “segurança e a saúde dos familiares e funcionários das montadoras associadas”. A associação acrescenta que cada empresa está discutindo caso a caso com seus respectivos sindicatos. A Anfavea não detalhou quando as montadoras devem adotar a paralisação e por quanto tempo ela deve durar.

A interrupção da produção de veículos pode envolver os 126 mil empregados diretos da indústria, conforme os dados mais recentes da Anfavea sobre emprego. No entanto, a paralisação das fábricas deverá afetar outras centenas de milhares de pessoas que trabalham na cadeia de fornecedores.

FABRICANTES JÁ ANUNCIARAM PARALISAÇÕES

 

Algumas montadoras já anunciaram que vão parar suas operações como forma de ajudar a conter a propagação do novo coronavírus no Brasil e proteger seus funcionários e familiares. É o caso da General Motors e da Mercedes-Benz, que na quarta-feira, 19, informaram a adoção de férias coletivas em todas as suas fábricas no País a partir do dia 30 de março.

No caso da Mercedes-Benz, a empresa informou que as férias coletivas serão para os 10 mil trabalhadores e vão durar, em princípio, 20 dias, entre 30 de março e 19 de abril, com retorno previsto para o dia 22, dependendo da situação no País. Também haverá folgas a serem debitadas no banco de horas nos dias 25, 26 e 27 de março e também em 20 de abril.

A GM, que possui cinco fábricas no Brasil (Gravataí/RS; São Caetano do Sul, São José dos Campos, Mogi das Cruzes/SP e Joinville/SC) não divulgou o período de férias.

Por sua vez, a Volkswagen informou nesta quinta-feira, 19, que vai suspender as operações de todas as suas fábricas no País a partir da próxima segunda-feira, 23 (São Bernardo do Campo, Taubaté, São Carlos/SP e São José dos Pinhais/PR). Em nota, a montadora informa que até 30 de março os empregados da área administrativa continuam em trabalho remoto (home office) e que os funcionários das linhas de produção terão folgas por meio de banco de horas. A partir de 31 de março, os empregados estarão em férias coletivas por duas semanas.

Segundo a VW, ambas as medidas fazem parte das ferramentas de flexibilização previstas em Acordo Coletivo de Trabalho.

O Grupo Volvo também vai dar férias coletivas para todos os 3,7 mil funcionários de sua fábrica de Curitiba (PR), onde são produzidos caminhões, ônibus, motores, caixas de câmbio e cabines. A medida vale a partir do dia 30 de março e vai durar um mês.