Os aditivos marítimos em ação

28
Português
Español/Castellano
English

Revista Lubes em Foco edição 91

Clique na revista e leia, baixe ou compartilhe os artigos:


 

Os aditivos marítimos

Os últimos oito anos foram extremamente desafiadores para a indústria naval. Primeiro, a Organização Marítima Internacional (IMO) iniciou uma jornada para reduzir as emissões através da redução dos níveis de enxofre nos combustíveis navais. A data de implementação de 2020 coincidiu com a pandemia global, que paralisou o mundo. Agora, à medida que a indústria continua a se recuperar, estamos entrando em um novo período de mudança equanto se intensificam os esforços para descarbonizar a frota marítima internacional.

Superando desafios de redução de enxofre

À medida que o prazo de redução de enxofre da IMO 2020 se aproximava, testemunhamos uma incerteza significativa na indústria sobre continuar a utilizar combustíveis com alto teor de enxofre com um purificador de gases de escape ou mudar para óleo combustível com muito baixo teor de enxofre (Very Low Sulphur Fuel Oil – VLSFO). Considerando-se que a diferença de preços entre combustíveis com alto e baixo teor de enxofre se estreitava, a maioria optou pela última opção.

Antecipando esse resultado, identificamos os desafios críticos de desempenho associados ao uso de VLSFOs: estabilidade do asfalteno, lubricidade e gerenciamento de cera, e foram desenvolvidos produtos marítimos econômicos nessas áreas. Estes combustíveis garantiram que eram adequados à finalidade e ajudaram os operadores de embarcações a reduzir os custos de manutenção e o tempo de inatividade, ao mesmo tempo que melhoraram a eficiência do motor, permitindo que a frota mudasse para estes combustíveis de queima mais limpa com confiança.

Nos últimos anos, outros regulamentos sobre emissões foram reforçados e foram implementados aditivos de combustível que pudessem proporcionar reduções tangíveis das emissões de NOx e de carbono negro.

Agora, a indústria naval está intensificando os seus esforços para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa (GEE), com metas da IMO definidas para 2030 para reduzir as emissões de CO2 e para uma utilização de 5-10% de tecnologias de balanço zero, em apoio à sua ambição de atingir emissões líquidas zero de GEE até, ou próximo, de 2050. Isso pode parecer muito distante, mas a dimensão do desafio significa que a mudança tem de começar agora.

A jornada da descarbonização

No caminho para a descarbonização, a IMO está introduzindo uma série de medidas para monitorizar e reduzir as emissões de carbono. O primeiro relatório anual sobre a intensidade de carbono será concluído em 2024, e as primeiras classificações de A a E serão divulgadas ainda este ano
A indústria está avaliando a melhor forma de garantir que os navios obtenham e mantenham uma classificação C ou melhor, sem aumentar significativamente os custos operacionais. Estes aditivos à base de combustível, fáceis de implementar, não só oferecem uma forma imediata e sem CAPEX de reduzir o consumo de combustível da embarcação (o que contribui para uma classificação CII melhorada), mas também ajudam a reduzir outras emissões importantes, como o NOx.