Euro 7 – Montadoras europeias rejeitam proposta

103

Euro 7Euro 7

As montadoras europeias e outras indústrias estão rejeitando uma proposta que supostamente poderia interromper as vendas de veículos movidos exclusivamente por motores de combustão interna até 2025.

As objeções dizem respeito ao trabalho do Grupo Consultivo sobre Padrões de Emissões de Veículos, que foi responsável por desenvolver recomendações para a Comissão Europeia sobre o conteúdo do Euro 7, o próximo padrão de emissões para carros e caminhões da União Europeia.

O grupo consultivo apresentou recentemente um relatório à comissão. Não foi tornado público, mas duas organizações de notícias alemãs, Bild e Sonntag, relataram há duas semanas que pede a redução dos níveis de dióxido de carbono e óxido nitroso para que os veículos movidos apenas a gasolina ou diesel não sejam capazes de atendê-los.

Vários grupos empresariais, desde então, criticaram a direção da norma, dizendo que os limites propostos são muito ambiciosos e que o grupo consultivo está mostrando um preconceito contra os motores de combustão interna. A Uniti, Associação Federal das Médias Empresas de Óleo Mineral, emitiu duas declarações na semana passada, a primeira reclamando que a proposta do grupo consultivo equivale ao banimento dos motores de combustão interna e a segunda criticando o vice-presidente da Comissão Europeia por não explicar claramente suas intenções.

A Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis, ACEA, juntou-se a quatro outros grupos da indústria na segunda-feira para emitir uma declaração pedindo à comissão que redefinisse os princípios de suas metas para o Euro 7. A declaração, foi assinada pela Associação Europeia de Fornecedores para Automóveis, a FuelsEurope, a Associação de Veículos a Gás Natural e a Transporte Rodoviário Internacional e disse que as organizações endossam a meta de atingir a neutralidade de carbono até 2050, mas que devem escolher alvos alcançáveis ​​e se basear na Ciência.

Referindo-se a uma reunião pública do grupo consultivo em 27 de outubro, as associações comerciais também disseram que os governos deveriam fazer mais para ajudar a estabelecer mercados de comércio de carbono, o que deveria ser parte da equação geral para reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

“A discussão sobre o Euro 7, portanto, não deve ser usada para forçar um requisito de projeto específico”, afirma a carta. “Interpretamos a orientação da AGVES em 27 de outubro como uma intenção de limitar severamente, ou mesmo cancelar, o futuro papel do motor de combustão interna no mercado europeu.”

O padrão Euro 7 está programado para ser adotado no quarto trimestre de 2021. As autoridades que trabalham no padrão estão tentando resolver as preocupações de que, embora as emissões veiculares estejam caindo, não estão caindo rápido o suficiente para ajudar a reverter a mudança climática.

Os padrões de emissões afetaram a indústria de lubrificantes de várias maneiras. Limites nas emissões de óxidos nitrosos, compostos de enxofre e fuligem levaram à adoção de tecnologias de controle de emissões que exigiam que os formuladores de óleo de motor limitassem o uso de certos aditivos. Os desejos de reduzir as emissões de CO2 foram atendidos por meio de mandatos para economia de combustível, o que por sua vez levou a uma ampla gama de mudanças, incluindo óleos de mais baixa viscosidade.

Agora os governos estão começando a exigir veículos com emissão zero, o que está resultando em vendas crescentes de veículos elétricos que consomem muito menos lubrificantes e, ao mesmo tempo, apresentam novas demandas de desempenho de lubrificantes.