Pesquisa mostra que veículos elétricos lideram as grandes tendências

40
Veículos elétricos lideram tendências
Um Nissan Leaf elétrico em estação de carregamento em Pearland, Texas. Foto: michelmond/Adobe Stock

Veículos elétricos lideram tendências

Veículos elétricos lideram tendências – As tendências relacionadas a veículos elétricos (VE) foram responsáveis ​​por metade das 10 respostas mais populares em uma pesquisa global de tribologistas e engenheiros de lubrificação sobre desenvolvimentos que provavelmente atrairão o interesse da indústria nos próximos anos.

Os participantes também sugeriram que os motores de combustão interna ainda têm muito espaço para melhorar a eficiência, de acordo com um relatório da pesquisa publicada recentemente pela Sociedade de Tribologistas e Engenheiros de Lubrificação – STLE.

O ex-presidente da associação, Michael Duncan, disse durante um recente webinário que o estudo – Relatório 2020 sobre questões emergentes e tendências em Tribologia e Engenharia de Lubrificação – foi um esforço de pesquisa de três anos. Duncan disse que entrevistou quase mil tribologistas e engenheiros de lubrificação em todo o mundo sobre suas experiências e opiniões. Este foi o terceiro relatório do STLE, os outros foram publicados em 2017 e 2014.

“Os entrevistados validaram que a demanda por redução de emissões e melhoria da economia de combustível continuará sendo áreas de grande interesse nos próximos anos”, disse Duncan. “As tendências de transporte são predominantemente impulsionadas por regulamentos governamentais que exigem maior economia de combustível e emissões reduzidas”. Duncan completou seu mandato de um ano na STLE no início deste mês.

O estudo pediu aos participantes que classificassem 21 tendências e tecnologias no setor de transporte, em termos de interesse que eles deverão atrair no futuro. Cinco das dez seleções mais populares diziam respeito a veículos elétricos.

A maioria dos participantes disse acreditar que o interesse no avanço de veículos híbridos, veículos puramente elétricos e a infraestrutura da rede aumentariam nos próximos cinco a 10 anos. O relatório afirma que as vendas de veículos 100% elétricos permanecem restritas por limitações no alcance de condução, além de custos de produção e operacionais. “No curto prazo, os veículos híbridos surgirão como o principal desafiador do motor de combustão interna porque representa o melhor das tecnologias antigas e mais recentes”, concluiu a STLE.

Um funcionário da Ford Motor Co. reconheceu no relatório que a indústria está se movendo em direção a grupos motopropulsores eletrificados e veículos elétricos, e concluiu que os lubrificantes permanecerão importantes. “A indústria de lubrificantes desempenhará um papel importante especificamente na melhoria de veículos híbridos e elétricos puros, onde as tecnologias de transmissão estão passando por uma enorme mudança”, disse o líder técnico da Ford Motor Co., Arup Gangopadhyay. “Os motores elétricos da linha de transmissão ficam muito quentes e precisam ser resfriados. Os fluidos de transmissão automática fornecem o resfriamento hoje, mas há necessidade e oportunidade para melhoria.”

A falta de métodos de teste para lubrificantes usados ​​em veículos elétricos é uma preocupação, alerta Peter Lee, engenheiro de tribologia da Southwest Research Institute, no relatório. “Nos lubrificantes de motores e transmissões, existem vários padrões, mas zero para veículos elétricos”, observou Lee. “A indústria de lubrificantes precisa encontrar uma maneira de desenvolver procedimentos para avaliar os lubrificantes usados ​​em veículos elétricos.”

As emissões reduzidas de dióxido de carbono é o ponto principal por trás da promoção dos veículos elétricos, mas os autores do relatório argumentaram que os veículos elétricos levam a emissões significativas de CO2, se forem levadas em consideração aquelas resultantes da fabricação, transporte, carregamento e descarte de baterias. “O motivo das preocupações de sustentabilidade com veículos elétricos a bateria é devido à produção da bateria”, observa o relatório.

O relatório sugere que o campo da tribologia e lubrificação precisará ajudar no desenvolvimento de todos os novos tipos de veículos. “Serão necessários lubrificantes mais novos para resolverem problemas de desempenho com baterias elétricas, híbridas e a próxima geração de motores de combustão interna”, observou a sociedade. “Dependendo do início das novas regulamentações, os óleos de motor também podem precisar ser reformulados.”

Embora o mercado de VE esteja crescendo, os participantes da pesquisa ainda descrevem várias tecnologias e avanços que podem proporcionar ganhos significativos em termos de eficiência de combustível nos motores de combustão interna tradicionais. Exemplos incluem novos materiais leves, avanços nos revestimentos, novos designs de cabeçotes e novos ciclos de combustão e designs de motores.

No lado dos lubrificantes, serão necessários melhores revestimentos para permitir o uso de óleos de motor de baixa viscosidade que a indústria automotiva recomenda agora para atender às diretrizes mais rígidas de economia de combustível, Thomas Kreis, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Geb. Reinfurt GmbH & Co., disse no relatório.

Duncan observou no webinário que disruptores como a pandemia de Covid-19 inevitavelmente desempenharão um papel no tempo e na execução final das tendências futuras do setor, embora essas tendências sejam geralmente consideradas inevitáveis.

O relatório do STLE também abrange os setores de energia, manufatura e aplicações médicas e de saúde, além de vários tópicos relacionados a questões de campo: questões da força de trabalho; financiamento de pesquisa; custo e disponibilidade de materiais; segurança, meio ambiente e necessidades humanas básicas e regulamentação governamental.

O estudo “Relatório sobre questões e tendências emergentes em tribologia e engenharia de lubrificação”, de 71 páginas, é gratuito em cópia digital ou impressa para os membros do STLE. Para não-membros, o custo é de US $ 75 para a edição digital e US $ 100 para a edição impressa, incluindo frete.