Xiaomi lança “moto” elétrica mais barata que um celular

89

Motonetas elétricasMotonetas elétricas

Xiaomi lançou na China dois novos modelos de motonetas elétricas de baixíssimo custo e com recursos avançados para navegação. A A1 e a A1 Pro estão sendo comercializadas por meio da plataforma de financiamento coletivo da companhia, chamada Youpin, e fabricadas pela empresa parceira 70mai.

A1 e A1 Pro

Os dois modelos de motonetas são bem parecidos. A diferença é que o modelo Pro conta com alguns extras para quem quer mais comodidade para controlar a navegação.

Ambos os modelos são compactos e leves, pesando cerca de 52 quilos. Elas parecem o veículo perfeito para pessoas pequenas. Embora a Xiaomi não tenha especificado, o Electrek supõe que o motor tenha cerca de 750 W.

Elas também contam com um sistema elétrico de 48 V, suspensão completa, freios a disco dianteiros, computador de bordo com tela colorida, GPS, câmera integrada para gravar o percurso em 1080p (com ângulo 130º), bateria removível (que pode ser carregada fora do veículo) e suportam comandos de voz.

No caso da A1 Pro, a memória da câmera é interna e a tela colorida é sensível ao toque. A A1 necessita de um cartão de memória externo.

A velocidade máxima em ambas as scooters chega a até 25 km/h, que é o limite para esse tipo de veículo elétrico na China.

Outra diferença nas características que pode justificar a diferença de preço fica por conta da autonomia. O modelo A1 tem uma bateria de 768 Wh e autonomia de 60 km. A A1 Pro tem bateria de 960 Wh e autonomia de 70 km.

Preço

No período de lançamento, as motonetas estão sendo comercializadas com preços promocionais. A A1 está saindo por US$ 424 (cerca de R$ 2.166) e a A1 Pro está custando US$ 566 (cerca de R$ 2.891).

Posteriormente, os veículos serão vendidos pelos valores sugeridos pela Xiaomi, sendo US$ 523 (cerca de R$ 2.672) para a A1, e US$ 655 (cerca de R$ 3.346) para a A1 Pro.

Esses preços são inferiores aos que são cobrados por alguns smartphones topos de linha da empresa.