Da Manutenção Reativa para a Manutenção Proativa

194

Como efetuar a transição da Manutenção Reativa para a Manutenção Proativa

Não é uma pergunta de resposta fácil, quando a cultura da manutenção da empresa, há longo tempo, se pauta pelas práticas da Manutenção Reativa (Corretiva). Departamentos de manutenção de muitas empresas empregam práticas de Manutenção Reativa (Corretiva) porque creem firmemente ser esta a forma mais simples de se abordar a questão. A verdade é que o caminho para a mudança da cultura da Manutenção Reativa (Corretiva) para a cultura da Manutenção Proativa é sinuoso, cheio de obstáculos e que exige esforço para ser trilhado.

Pautando-se a manutenção de equipamentos móveis e industriais sob a ótica da Manutenção Reativa, pouca atenção será dispensada ao maquinário, até que uma falha catastrófica ocorra, quando, então, o staff de manutenção fica sob intensa pressão para que o reparo do equipamento seja realizado o mais breve possível, mesmo que isto implique em substancial dispêndio de tempo e elevados custos de reparo.


Enquanto são efetuados os procedimentos de manutenção, a atividade produtiva da planta, provavelmente, ficará paralisada, conforme a importância do equipamento móvel ou industrial que está passando por manutenção. As empresas que efetuaram a transição das práticas da Manutenção Reativa para as da Manutenção Proativa têm percebido que os benefícios auferidos não são apenas de ordem financeira decorrentes da redução nas falhas e no tempo de indisponibilidade de equipamentos móveis ou industriais, como também as atividades rotineiras de manutenção se tornaram bastante mais simplificadas e de fácil realização.


Ao passo que pode parecer bastante mais simples decidir como os procedimentos da Manutenção Reativa (Corretiva) devem ser realizados, pode ocorrer que tal forma de atuar, ao final, seja de maior custo e demande trabalho muito mais intensivo. Por outro lado, planejar como a Manutenção Proativa deve ser executada pode parecer bastante difícil, mas, com a prática, a relação custo-benefício será compensadora e passará a integrar a cultura do staff de manutenção. A realidade é que, quanto mais tempo se trabalha com as práticas e se adota a cultura da Manutenção Reativa, tanto mais difícil serão as mudanças de hábitos.


Vamos citar, a título de exemplo, algumas sugestões práticas que podem ser úteis na transição da cultura da Manutenção Reativa (Corretiva) para a da Manutenção Proativa:

Leia o restante do artigo na revista LUBES EM FOCO – edição 71, apresentada abaixo: