Importação brasileira de óleos básicos é a segunda maior da história

269
Português
Español/Castellano
English

Importação brasileira de óleos básicos

Importação brasileira de óleos básicos – O Brasil importou em 2023 um volume de óleos básicos de 775.084 m3, sendo o segundo maior de sua história, perdendo somente para o ano de 2021, que sofreu o impacto da recuperação do período de pandemia. O desembolso total foi de US$ 851.17 milhões, com os Estados Unidos na liderança do fornecimento, sendo responsáveis pelo envio de 72,4% do total importado.

As importações de óleos básicos representaram 45,9% do total do mercado brasileiro, com o mês de outubro sendo destaque, representando quase o dobro da média anual. Isso teve uma relação direta com as paradas simultâneas para manutenção das duas refinarias produtoras de básicos, Reduc e Mataripe.

O total do mercado foi de 1.688.489 m3, com a produção nacional nas refinarias representando 30,4% e a indústria do rerrefino colocando 23,7% desse volume para abastecer o mercado.

A produção nacional

Do volume colocado no mercado pelas refinarias brasileiras, a refinaria Reduc, no Rio de Janeiro, representou 82,3%, a Lubnor, no Ceará, 11,0% e a Refmat (Mataripe), na Bahia, 6,7%. Lembrando que a Lubnor produz somente básicos naftênicos e as outras duas apenas básicos do grupo I.

Entre os rerrefinadores, a Lwart segue na liderança do mercado com 44,9% de participação, seguida de Lubrasil (11,6%), Proluminas (10.2%),  Petrolub (9,6%), Fênix (6,7%), Tasa (4,1%), Falub (4,0%) e Nortlub (3,8%). Logo a seguir, vêm a Vital (Ind. Petroquímica do Sul), Brazão, Eternal, Supply e Perfilub. Vale lembrar que algumas dessas empresas consomem diretamente os seus óleos básicos para a produção própria de óleos acabados.

Ranking dos países fornecedores

Com relação às importações, o ranking dos 10 países maiores fornecedores ao Brasil tem a seguinte ordem por volume fornecido: Estados Unidos (, Coreia do Sul, Malásia, Índia, Catar, Barein, Cingapura, Taiwan, Argélia e Espanha. Outros, como Finlândia, Suécia e mais 13 países seguem com menores quantidades.

Mercado de óleos acabados

Em breve mostraremos também os números finais do mercado de lubrificantes acabados, em maior detalhamento, no próximo número da revista Lubes em Foco. A princípio, temos uma estimativa de crescimento em torno de 4,3%, com um volume perto de 1,46 milhão de metros cúbicos, entretanto, devido a  uma lacuna importante de volume não informado à ANP e, consequentemente ao mercado, ainda não temos uma taxa de precisão que nos possibilite sua publicação. A Lubes em Foco  está trabalhando para trazer esses números consolidados ao mercado o mais breve possível.