Aumento dos Custos e Regulamentações Iminentes Impactam a Indústria do Lítio

145
Português
Español/Castellano
English

Graxas à base de lítioGraxas à base de lítio

Graxas à base de lítio – A demanda global por graxas à base de lítio está passando por uma queda, sendo cada vez mais substituída por alternativas que utilizam espessantes de cálcio, alumínio e poliureia. Essa mudança ocorre principalmente devido ao aumento dos preços do carbonato de lítio e do hidróxido de lítio, impulsionado principalmente pelo aumento na produção de veículos elétricos, de acordo com um especialista da indústria.

Além disso, as graxas de lítio agora estão potencialmente ameaçadas pela contemplação da União Europeia em classificar o lítio como um material perigoso. Terry Dicken, presidente do Instituto Europeu de Graxas Lubrificantes, compartilhou informações durante o simpósio de Lubrificantes e Óleos Básicos da Goma em Zagreb, Croácia. Ele destacou o mercado crescente de veículos elétricos e as iniciativas de transporte público elétrico da China como principais contribuintes para os desafios dos fabricantes de graxa relacionados a matéria-prima.

Dicken ressaltou a iminente escassez global de lítio, agravada ainda mais pela Agência Química da União Europeia considerando regulamentações rigorosas sobre a toxicidade de sais-chave de lítio, incluindo carbonato de lítio, cloreto de lítio e hidróxido de lítio. Ele citou projeções da empresa de consultoria Macquarie, que espera que a produção equivalente de carbonato de lítio atinja 679.000 toneladas em 2023, um aumento significativo em relação aos níveis de 2020. Esse aumento na produção ocorre em meio a um crescente déficit no fornecimento de carbonato de lítio, que se espera agravar em 61.000 toneladas neste ano.

A crescente demanda por veículos elétricos impulsionou os preços do carbonato e do hidróxido de lítio, erodindo o excedente observado em 2019 e 2020. As previsões do Credit Suisse sugerem que a demanda por lítio poderia triplicar até 2025 em relação aos níveis de 2020, com o fornecimento lutando para atender a essa demanda e necessitando de preços mais altos para incentivar uma resposta de fornecimento adequada.

Esses fatores contribuem para a queda na demanda por graxas de lítio, favorecendo as graxas de cálcio, alumínio e poliureia em vez disso. Em 2020, os espessantes à base de lítio dominavam 71% do mercado global de graxas industriais, mas isso deve cair para 64% até 2026. Em contraste, a participação de mercado de graxas de poliureia e cálcio deve aumentar significativamente.

Dicken também discutiu a proposta da UE sobre a classificação do lítio. Em 2021, o Comitê de Avaliação de Riscos da ECHA, após uma avaliação rigorosa, classificou três sais de lítio como substâncias tóxicas para a reprodução. A Eurometaux, a associação europeia de metais não ferrosos, reconhece a importância dos sais de lítio, mas enfatiza a necessidade de garantir sua segurança para a saúde humana e o meio ambiente.

O processo de classificação de risco proposto pela UE para esses sais de lítio, iniciado em 2019 pela agência reguladora de saúde e segurança francesa, tem gerado considerável debate, equilibrando evidências científicas com considerações socioeconômicas. Se a ECHA classificar o hidróxido de lítio como uma substância tóxica para a reprodução, isso pode afetar significativamente seu uso, rotulagem e transporte dentro da UE e globalmente.

Dicken concluiu que, embora as graxas de lítio continuem liderando o mercado, a indústria está explorando ativamente espessantes alternativos. Preferências regionais, como a poliureia no Japão, China e América do Norte, e o ressurgimento das graxas de cálcio, indicam um mercado dinâmico e em evolução. Ele prevê um crescimento contínuo do mercado impulsionado pela produção industrial e pelos mercados emergentes.