Albermale aumenta sua produção de lítio no Chile

27
Português
Español/Castellano
English

Produção de lítio no Chile
Imagem de TravelCoffeeBook por Pixabay

Produção de lítio no Chile

A Albemarle Corp. abriu uma fábrica adicional em seu local de produção de lítio em Antofagasta, Chile, como parte de uma estratégia de ajudar a atender à crescente demanda global de veículos elétricos e dispositivos de alta tecnologia.

A empresa, com sede em Charlotte, Carolina do Norte, indicou que o projeto custou mais de US$ 100 milhões. A empresa não divulgou a capacidade da nova planta, mas disse que dobrará a produção de carbonato de lítio do local.

Produção de lítio impacta diretamente mercado de graxas

Derivados de lítio são usados ​​como espessantes em aproximadamente três quartos das graxas industriais do mundo, mas a demanda concorrente de baterias de veículos elétricos aumentou rapidamente nos últimos anos devido ao forte crescimento nas vendas de veículos elétricos. Os preços do lítio foram fortemente impulsionados para cima, levando alguns fornecedores de graxa a considerar outros produtos químicos espessantes.

As baterias para veículos elétricos (EV) são agora uma das maiores aplicações do lítio, e espera-se que a demanda continue aumentando rapidamente nos próximos anos.

Consequentemente, empresas em todo o mundo estão lutando para aumentar a produção. O Chile era anteriormente o maior fornecedor mundial do mineral, mas foi superado nos últimos anos pela Austrália e China. A nação sul-americana ainda tem de longe as maiores reservas conhecidas e, no ano passado, anunciou uma iniciativa para recuperar o primeiro lugar abrindo licitações destinadas a aumentar sua produção em várias vezes.

Consumo de água gera preocupação

O plano gerou alguma polêmica, porém, principalmente em torno da questão do consumo de água. No Chile, o lítio é colhido das salinas do deserto fazendo salmouras e depois permitindo que a água evapore, deixando o mineral bruto para ser processado. Os moradores da área, muitos deles indígenas, reclamaram que as operações de lítio consomem muita água, deixando muito pouco do precioso recurso para eles.

Funcionários da Albemarle disseram que a nova usina reduzirá o impacto nos recursos hídricos. Entre os equipamentos instalados estava um evaporador térmico de US$ 100 milhões que recicla água, reduzindo seu consumo em 30%.

“Com essa expansão, a Albemarle está apoiando a transição energética global e, ao mesmo tempo, estamos trabalhando em conjunto com as comunidades locais para apoiar a economia, as pessoas e o meio ambiente das áreas em que atuamos”, disse Ignacio Mehech, vice-presidente presidente de relações exteriores e gerente nacional da Albemarle Chile, em um comunicado à imprensa.

A Albemarle é uma das duas principais produtoras de lítio do Chile, juntamente com a SQM, uma empresa nacional. No ano passado, moradores vizinhos tentaram revogar a licença SQM com base em alegações de que a empresa estava extraindo mais água do que o permitido. A empresa posteriormente apresentou uma proposta para reduzir seu uso.