UE vai embargar petróleo e petroquímicos russos incluindo óleos básicos

90
Português
Español/Castellano
English


Petroquímicos russos

Petroquímicos russos – A União Europeia anunciou na semana passada que imporá um embargo ao petróleo bruto russo e produtos refinados, incluindo óleos básicos e lubrificantes, até o final de 2022.

As refinarias russas que exportam óleos básicos serão duramente atingidas pela medida, parte da sexta rodada de sanções da UE impostas após a invasão militar da Ucrânia por Moscou. O embargo é semelhante ao que o bloco político e econômico impôs por vários anos contra o petróleo iraniano por causa do programa nuclear daquele país. A UE levantou esse embargo em 2016.

A medida, anunciada na semana passada pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, proibiria as importações de petróleo bruto russo e produtos refinados por quase toda a UE até o final do ano. A Hungria e a Eslováquia, que dizem ser muito dependentes da Rússia para energia, estão temporariamente isentas, recebendo um período de carência até dezembro de 2023.

Os Estados Unidos já proibiram as importações de petróleo russo.

Os comerciantes domésticos de lubrificantes acabados não seriam afetados pelo embargo da UE, porque a Rússia tradicionalmente não é um exportador de produtos acabados para a Europa, exceto para países vizinhos, como a Ucrânia e os países bálticos.

“É difícil dizer como essa proibição afetará nossa indústria”, disse um produtor de lubrificantes que pediu para não ser identificado, ao Lube Report. Sempre há possibilidades de canais alternativos de exportação de óleos básicos, como Índia, Sudeste Asiático ou China, disse o produtor.

A Rosneft e a Gazprom Neft não responderam às perguntas.

Rotas logísticas alternativas para a Ásia ou outros destinos estão sobrecarregadas e não poderão receber os fluxos de exportação russos, disse Denis Varaksin, comerciante de óleo básico da DYM-Resources, com sede em Berlim.

Por causa das sanções e do iminente embargo de petróleo, disse ele, as refinarias russas estão passando por uma grande transição.

“Todo mundo está procurando ativamente maneiras de diversificar seus negócios”, disse Varaksin.

Ele previu que aqueles que ainda compram óleos russos deixarão de fazê-lo em meados de maio. Na rodada anterior de sanções, as entregas de contratos já concluídos foram permitidas até 15 de maio. Ele disse que as empresas parariam os óleos básicos russos por causa de medidas financeiras e logísticas contra bancos e transportadores russos.

“É muito difícil fazer qualquer pagamento à Rússia, pois os principais bancos europeus e internacionais se recusam a fazer as transferências, mesmo que sejam absolutamente legais”, disse Varaksin. “A UE também proibiu caminhões registrados na Rússia de transportar produtos na UE, enquanto grandes companhias de navegação como Maersk, MSC e CGM-CMA não aceitam reservas para cargas russas. Os armadores de negócios a granel também se recusam a receber cargas russas”.

Como resultado das sanções, a DYM espera que as exportações russas de óleo básico caiam de 30% para 50% este ano e diminuam ainda mais em 2023. Em 2021, as entregas russas de exportação de óleo básico terrestre e ferroviário atingiram 1,2 milhão de toneladas, disse o trader.

Por Boris Kamchev