Importação de óleos básicos de Grupo II terá cota reduzida na U.E.

87
Português
Español/Castellano
English
importação de óleos básicos
© VanderWolf Images

Importação de óleos básicos do grupo II

A Comissão Européia planeja novamente no próximo ano reduzir uma isenção de impostos de importação de óleos básicos do Grupo II, de nações que não têm acordos de livre comércio com a União Européia.

A comissão pretende reduzir sua cota nas importações do Grupo II para o primeiro semestre de 2022 do nível atual de 150.000 toneladas métricas por seis meses, disse um porta-voz ao Lube Report, mas ainda não definiu um novo número.

A cota tem seu maior impacto sobre os fornecedores dos Estados Unidos, a maior fonte do Grupo II do bloco sem um acordo de livre comércio.

Anteriormente, o bloco retinha 3,7% do imposto de importação sobre as primeiras 200 mil toneladas do Grupo II importadas a cada seis meses, mas a cota foi reduzida para 150 mil no primeiro semestre deste ano.

Organizações de lubrificantes querem mais

Organizações comerciais como a União da Indústria Europeia de Lubrificantes e as empresas que representam estão fazendo lobby por uma cota mais alta e uma fase de transição mais longa, com base na visão de que a demanda por óleo básico do Grupo II na Europa vai se recuperar conforme a pandemia do coronavírus diminuir e as atividades econômicas aumentarem.

Este sentimento foi repetido pela Chevron, o maior fornecedor americano do Grupo II para a UE. “A indústria europeia de lubrificantes se beneficiou nos últimos anos com o acesso consistente aos óleos básicos importados do Grupo II”, disse recentemente uma porta-voz da Chevron.

Ela acrescentou que, embora a indústria tente gerenciar os desafios comerciais da pandemia global, é imperativo que os misturadores europeus possam obter suprimentos estáveis ​​e adequados de óleos básicos do Grupo II.

A cota atual de 150.000 toneladas, que vigora até 31 de dezembro, se aplica aos tipos de óleo do Grupo II 150N, 220N e 600N. Alguns especialistas da indústria afirmam que o custo mais alto para importados do Grupo II afetaria desproporcionalmente os pequenos e médios misturadores.

O regulamento foi objeto de controvérsia quando adotado em 2019, apoiado pela ExxonMobil, que inaugurou a primeira grande fábrica do Grupo II da Europa em Rotterdam, Holanda, no início daquele ano. Foi contestado por importadores e grupos da indústria.

A redução e eventual remoção da cota afetaria principalmente as importações dos EUA. Outros grandes exportadores do Grupo II, incluindo Cingapura, Coréia do Sul, Canadá e Japão, têm acordos de livre comércio com a UE.