ACEA–2021: Serviços Leves Grau de mudanças sem precedentes!

543

ACEA–2021ACEA–2021

ACEA–2021 – As novas Sequências de Óleo de Motor ACEA para Serviços Leves foram publicadas, conforme planejado, durante a primavera europeia de 2021, e o grau de mudanças é sem precedentes.

Duas categorias foram removidas para dar lugar a duas novas categorias. As novas categorias vieram com testes de motor adicionais em três novos parâmetros de desempenho para as Sequências ACEA, além de um novo teste de economia de combustível para ACEA C6. Ao mesmo tempo atividades de manutenção foram realizadas para substituir três testes que chegam ao fim da vida por testes sucessores, reintroduzir um teste para o desgaste de válvulas de motor a gasolina e para remover dois testes cuja disponibilidade de hardware é limitada. Sem mencionar limites mais apertados para elastômero e algumas outras alterações menores.

Alguns dos novos testes são testes ASTM “emprestados” da norma americana API Engine Oil Specification, o novo teste de economia de combustível vem da norma japonesa JASO e o Coordinating European Council, CEC, também contribui com testes novos e de substituição. As sequências ACEA estão claramente se tornando globais.

A estrutura da Sequência

Havia um direcional pragmático no sentido de remover algumas categorias “antigas” para abrir espaço para novas categorias. Apenas adicionar mais categorias criaria elevada complexidade e um sistema de especificação difícil para o usuário final entender.

As categorias A3/B3 e C1 foram tornadas obsoletas. Isso reflete como as necessidades e os mercados evoluíram. Quando introduzida na década de 1990, a diferenciação entre A3/B3 e A3/B4 era na tecnologia de motor diesel, com A3/B3 para motores diesel com pré-câmara e A3/B4 visando motores diesel de injeção direta. Como a tecnologia anterior agora já é história, a necessidade de A3/B3 tornou-se questionável.

Já para a categoria C1 a linha de pensamento é diferente, aqui a decisão de não continuar é mais um reflexo da adoção limitada por parte das OEMs e do mercado de lubrificantes de produtos com requisitos de baixos teores de fósforo e cinzas sulfatadas, estipulados na C1. O princípio orientador aqui é que as categorias da ACEA devem refletir as necessidades comuns das OEMs membros da ACEA, em vez que necessidades específicas de OEMs individuais.

“Salvo por algumas importantes atividades de manutenção, as atuais categorias A3/B4, A5/B5 e C2 a C5 permanecem como estão.”

O que há de novo na ACEA 2021 para as categorias anteriores que foram mantidas?

  • A Sequência VH nos limites API SP substitui a Sequência VG nos limites API SM assim como o low temperature sludge test e o M271 EVO (CEC L-107) substitui o Daimler M271 como o black sludge test.
  • O M271 EVO destina-se a substituir o M271 com a mesma severidade, apesar de o próprio método de teste M271 EVO ser mais severo. Portanto, o trabalho feito foi a compensação com limites apropriados. Os limites foram definidos no contexto da atualização da sequência ACEA 2016 e transferidos para as Sequências de 2021.
  • O VW TDI3 (CEC L-117) substitui o teste TDI vigente até então. Novamente o objetivo é manter a severidade da categoria anterior e enfrentamos agora a situação em que o teste sucessor é mais severo. A ACEA, em colaboração com ATC e ATIEL (AAA), definiu os limites adequados para que o objetivo fosse alcançado.

Leia o restante do artigo na revista LUBES EM FOCO – edição 81, apresentada abaixo:


#portallubes #lubrificantes #graxas #carros #automóveis #Motos #motocicletas #caminhões