Nanoaditivos são promissores na redução do atrito e desgaste

240

NanoaditivosNanoaditivos para reduzir o atrito e  o desgaste

Nanopartículas, que variam de metais e óxidos de metais a nanomateriais de carbono, começaram a desempenhar um papel importante como aditivos de lubrificantes, devido à sua excepcional estabilidade térmica em temperaturas elevadas.

O tamanho das nanopartículas permite que elas adiram e suavizem as irregularidades nas superfícies de contato. Além disso, sua alta proporção entre superfície e volume facilita a interação com o ambiente.

Aditivos de nanopartículas ou nanoaditivos têm um tamanho de partícula inferior a 100 nanômetros (nm), em pelo menos uma dimensão. Em comparação, um cabelo humano tem aproximadamente 80.000-100.000 nm de largura.

Os nanoaditivos demonstraram sua capacidade de reduzir o atrito e o desgaste dos lubrificantes, mesmo em concentrações inferiores a 1% em peso. Isso foi possível por vários métodos:

  1. O efeito de rolamento de esferas, onde as nanopartículas atuam efetivamente como rolamentos de esferas entre duas superfícies, reduzindo assim o atrito e o desgaste;
  2. Efeito de filme protetor, onde as nanopartículas formam um filme antidesgaste;
  3. Efeito de remendo (mending effect), onde as nanopartículas se depositam em uma superfície e compensam a perda de massa;
  4. Efeito de polimento, onde as nanopartículas atuam como abrasivo, reduzindo a rugosidade da superfície.

Com o crescimento da nanotecnologia, não é surpreendente que os nanomateriais constituam uma das tecnologias mais revolucionárias no campo da tribologia. Devido à miríade de materiais, uma extensa pesquisa foi conduzida para encontrar os nanoaditivos com o desempenho ideal.

Um fator que tem sido amplamente considerado é a alta energia superficial das nanopartículas que promove a agregação, especialmente quando a temperatura ou a pressão aumenta. A modificação química ou funcionalização da superfície das nanopartículas é a chave para a dispersão uniforme das nanopartículas no lubrificante de base e a síntese de lubrificantes de alto desempenho. O revestimento da superfície com os grupos funcionais impede a transferência de material e a soldagem a frio das superfícies de contato. A estrutura híbrida significa que essas nanopartículas são macias por fora e rígidas por dentro, permitindo uma boa funcionalidade do lubrificante com excelente capacidade de suporte de carga.

Leia o restante do artigo na revista LUBES EM FOCO – edição 81, apresentada abaixo:


#portallubes #lubrificantes #graxas #carros #automóveis #Motos #motocicletas #caminhões