Preços de óleos básicos sobem nos Estados Unidos

263

Óleos básicos parafínicosÓleos básicos parafínicos

Produtores de óleos básicos parafínicos dos Estados Unidos comunicaram aumentos de preços a partir de 22 de março, seguindo o movimento da Exxonmobil feito  na semana anterior.

Do lado naftênico, os fornecedores também seguiram o mesmo caminho. Os aumentos foram motivados por uma situação de oferta extremamente apertada, preços firmes de petróleo bruto e matérias-primas, demanda constante e aumento dos valores no mercado spot.

Chevron informou seus clientes que a empresa estaria aumentando o seu Grupo II em 30 centavos por galão, em 23 de março para refletir as condições atuais do mercado.

A partir de 22 de março, Excel Paralubes implementou aumentos de preços da ordem de 30 centavos/gal em seus básicos de Grupo II “Pure Performance” 70N, 110N e 225N, e 32 centavos/gal em seu corte de 600N.

Phillips 66 elevou seus preços do Grupo II+ e do Grupo III “Ultra-S” 2, 3, 4 e 8 em 35 centavos/gal em 22 de março.

Calumet elevou o preço de seu Grupo I 600-vis por 30 centavos/gal e seu Bright Stock em 40 centavos/gal. Os do Grupo II com graus de viscosidade 75/80, 100, 150 e 325-vis da empresa foram remarcados com 20 centavos/gal, com todos os aumentos entrando em vigor em 23 de março. A Calumet também elevou o preço de seus produtos naftênicos, como mencionado na seção de óleo da base naftênica abaixo.

HollyFrontier elevou o preço de seu Grupo I 70/75, 100, 150 e 250-vis em 20 centavos/gal, seu óleo base 525-vis em 30 centavos/gal e seu Bright Stock em 40 centavos/gal, com data efetiva de 24 de março.

Petro-Canadá comunicou um aumento de preço de 30 centavos/gal para seus óleos básicos do Grupo II e do Grupo II+ e 35 centavos/gal para o Grupo III, que entrará em vigor em 24 de março.

Sk efetiva o aumento de seu Grupo II+ 70N por 30 centavos/gal, de seu Grupo III 4 cSt  em 30 centavos/gal e de seu Grupo III 6 cSt e 8 cSt por 35 centavos/gal, a partir de 29 de março.

Avista Oil elevou os preços de seu Grupo II+ ESR 50 e de seu Grupo III ESR T-5 em 30 centavos/gal, a partir de 22 de março. A variação dos preços deveu-se, entre outros fatores a, “custos mais altos de matérias-primas, preços de combustível concorrentes para o gasóleo de vácuo (VGO) e fundamentos firmes do mercado, incluindo alta demanda e suprimentos apertados”, explicou a empresa.

Paulsboro aumentou o preço do produto 100 vis e 165 vis do Grupo I em 20 centavos por galão, e dos graus 500 e 700 vis em 30 centavos/gal e seu Bright Stock em 40 centavos/gal a partir de 24 de março.

Na semana anterior, fontes do mercado informaram que a ExxonMobil havia aumentado o preço do Grupo I de 100 a 400 vis em 20 centavos por galão, o grau 600 vis em 30 centavos/gal e seu Bright Stock em 40 centavos/gal. O corte do Grupo II EHC 65 do produtor aumentou em 20 centavos/gal e seu Grupo II+ EHC 45 em 30 centavos/gal, tudo com data efetiva de 19 de março.

No lado dos óleos da base naftênica, a Cross Oil elevou o preço de seus óleos em 20 centavos/gal, em 23 de março. O produtor explicou que o aumento foi necessário para “recuperar o rápido aumento do custo de petróleo bruto naftênico, matérias-primas de refinarias e transporte”.

A planta de óleo básico da Cross Oil em Smackover, Arkansas, estava passando por uma reviravolta, e a empresa disse que limitaria as ordens para reduzir as quantidades durante o período de transição e poderia limitar as vendas com base no estoque disponível. A reviravolta começou no final de fevereiro e estava prevista para ser concluída no final de março.

Calumet aumentou o preço de todos os seus produtos naftênicos em 20 centavos/gal., a partir de 23 de março.

A nova rodada de aumentos acompanha de perto uma série de aumentos de preços parafínicos e naftênicos que elevaram os valores em 25 a 45 centavos por galão, dependendo do produto e do produtor, entre 19 de fevereiro e 3 de março.

Os custos mais altos do petróleo e matérias-primas provocaram aumentos de preços nos segmentos de lubrificantes, graxas e aditivos entre 3% e 20%, previstos para serem implementados em abril. Nem todos os produtores de lubrificantes acabados são capazes de implementar aumentos devido a condições específicas em seus contratos; por exemplo, alguns termos só permitem ajustes trimestrais. Vários misturadores mencionaram dificuldades para transferir os aumentos para baixo da cadeia de suprimentos e lamentaram o fato de que teriam que vender produtos com prejuízo.

Ficou muito incerto saber quando a situação tensa de fornecimento de petróleo base irá melhorar. As paralisações recentes e contínuas de plantas, juntamente com a redução das taxas operacionais em várias refinarias devido à demanda fraca de combustíveis, contribuíram para o aperto.

A Motiva e a ExxonMobil declararam situação de “force majeure” (força maior), após paralisações inesperadas de produção em suas refinarias do Texas devido a temperaturas congelantes e paralisações de serviços públicos, em meados de fevereiro. Ambos os produtores haviam feito programas de alocação para seus clientes, de acordo com fontes, mas já foi dito que a Motiva estaria levantando sua alocação em 15 de abril.

A extensão de algumas reviravoltas programadas devido ao clima severo de inverno complicou as condições de abastecimento confortável também no segmento do Grupo I.

Plano de alteração da rotina da Calumet, em sua unidade do Grupo I e do Grupo II em Shreveport, Louisiana, estava previsto para ser concluído no início de março, mas foi prorrogado por algumas semanas. No entanto, a fábrica já foi reiniciada e começou a produzir óleos básicos, disseram fontes familiarizadas com as operações da empresa.

A fábrica do Grupo I da HollyFrontier em Tulsa, Oklahoma, também estava passando por uma mudança programada desde fevereiro, que foi prorrogada devido às condições climáticas severas.

A rerrefinadora Avista Oil completou uma breve alteração que começou em 8 de março e durou menos de uma semana.

A refinaria de parafínicos da Ergon, em Newell, Virgínia Ocidental, está programada para uma recuperação de 30 dias, começando em 9 de abril. A empresa construiu estoques e espera minimizar as interrupções no fornecimento durante o período de turnaround e o processo de inicialização.

Várias breves paralisações de fábricas também ocorreram no lado naftênico do mercado, após tempestades de inverno, enquanto uma paralisação planejada ainda estava em curso.

A planta de óleo básico naftênico da Cross Oil, em Smackover, Arkansas, deveria completar um programa de manutenção de um mês nos próximos dias. O processo começou em 25 de fevereiro, mas a previsão era de que o produtor cumprisse a maioria de seus compromissos contratuais durante a paralisação.

San Joaquim Refining completou a recuperação de sua unidade de óleo básico naftênico, em Bakersfield, Califórnia, no final de fevereiro e colocou clientes na alocação durante a paralisação.

Os preços futuros do petróleo bruto caíram com as notícias sobre os bloqueios na Europa e as perspectivas de redução da demanda por produtos combustíveis nos próximos meses.

Na terça-feira, 23 de março, os futuros do WTI para maio fecharam em US$ 57,76 por barril, na CME/Nymex, quando tinham fechado para abril a US$ 64,80/bbl, em 16 de março.

Os contratos futuros de Brent que tinham fechado em US$ 68,39/bbl, em 16 de março para entrega em maio, atingiram US$60,79/bbl no CME em 23 de março,.

O petróleo cru Light Louisiana Sweet tinham os preços no atacado pairando em US$ 63,53/bbl, em 22 de março, quando já tinham fechado em US$ 67,66/bbl em 15 de março, de acordo com a Energy Information Administration.

Por: Gabriela Wheeler da revista Lubes ‘n’ Greases

A Lubes’n’Greases informa que suas publicações não serão responsáveis por decisões comerciais com base no conteúdo de seu relatório.