Reino Unido tem monitoramento de lubrificantes feito por entidade independente

Em uma nova etapa, a VLS do Reino Unido entrou em contato recentemente com o Institute of Materials, com sede nos Estados Unidos, para realizar testes proativos em óleos de motores 5W-30.

97

monitoramento

Monitoramento independente

A VLS (Verification of Lubricants Specificatons), uma organização do Reino Unido que faz o monitoramento dos óleos de motor acusados ​​de violar alegações de desempenho ou especificações do setor intensificou suas atividades iniciando um programa para testar amostras retiradas do mercado.

Funcionários da VLS disseram que amostras de 22 produtos foram coletadas em 2019 e testadas pelo Instituto de Materiais (IOM) e atenderam às reivindicações de desempenho. O IOM, com sede nos Estados Unidos, já realiza esses testes na Europa para a ATIEL, a Associação Técnica da Indústria Europeia de Lubrificantes.

VLS trabalhando pela autorregulação do mercado

“Embora a VLS tenha feito um ótimo trabalho em reagir aos casos relatados, o conselho estava ansioso para dar o próximo passo para testar proativamente amostras de mercado”, disse o presidente da VLS, Andrew Goddard, em um comunicado à imprensa em 5 de junho. “No geral, os produtos [amostrados em 2019] estavam em conformidade e, portanto, nenhuma ação adicional é necessária no momento, o que é uma notícia positiva para o setor. Continuaremos fazendo o monitoramento das amostras dessa maneira no futuro e trabalhando com a ATIEL em quaisquer problemas relacionados aos lubrificantes do Reino Unido. ”

A VLS continuará a fazer o monitoramento das amostras do mercado no Reino Unido, coletando e testando separadamente da ATIEL. A VLS pretende concentrar-se nos óleos SAE 5W-30, pois considera que esse grau de viscosidade é o segmento mais competitivo do mercado.

O trabalho que o IOM realiza em nome da VLS se concentrará nos testes de bancada para atender às sequências da ACEA (Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis): volatilidade NOACK, viscosidade a baixa temperatura, ou Cold Crank Simulation, viscosidade Brookfield, viscosidade cinemática, HTHS e análise teor de cinzas sulfatadas, fósforo, enxofre e número de base.

Publicar resultados pode ser uma boa arma

Se as amostras estiverem fora de conformidade, disse Goddard, a VLS seguirá os mesmos procedimentos para as reclamações que recebe – entrando em contato com o comerciante do óleo para compartilhar suas informações e discutir como o produto pode ser colocado em conformidade. Isso pode ser feito, ajustando a fórmula do produto, melhorando as práticas de mistura ou embalagem ou ajustando as declarações de desempenho.

“Se a empresa se recusar a cooperar, a VLS publicará os detalhes do caso juntamente com a recusa em cooperar do comerciante/produtor do lubrificante”, disse Goddard. “A VLS acompanhará o caso depois de seis meses para ver quais ações corretivas foram tomadas pelo produtor do lubrificante e encaminhará às autoridades estatutárias relevantes, caso o produto permaneça fora de conformidade, se necessário”. Essas autoridades incluem a U.K. Trading Standards e a ATIEL.