Lwart Lubrificantes quer um novo olhar para o percentual de coleta de OLUC

89

Lwart Lubrificantes na Live da Lubes em Foco

Líder dos segmentos de coleta e rerrefino do óleo usado ou contaminado (OLUC), a Lwart Lubriicantes é também a única produtora de óleos básicos do grupo II no Brasil. Em entrevista ao projeto Lives da Lubes em Foco, no dia 16 de julho, pelo canal do Portal Lubes no Youtube, os diretores Manoel Browne e Gustavo Cardoso  apresentaram ao mercado as principais ações tomadas pela empresa para o enfrentamento da pandemia da Covid-19, mantendo as operações de coleta e produção, sem prejuízo para o Meio Ambiente.

“A Lwart teve uma preocupação grande com a manutenção do emprego e o atendimento ao mercado, então, a partir de protocolos que nossa área de saúde e segurança estabeleceu, como controle de temperatura, espaçamento de postos de trabalho e outros mais, pudemos manter os trabalhos de produção e, principalmente, a coleta, pois entendemos que em um período de pandemia, a retirada de resíduo perigoso de circulação é bastante importante”, explicou Gustavo Cardoso.

Manoel Browne, complementou lembrando que a atividade de coleta é considerada essencial à preservação do meio ambiente. “Fizemos uma combinação importante com o setor de produção pois, mesmo com a queda nas vendas da empresa, a coleta precisava estar disponível nas ruas. Assim, conseguimos manter um índice de 92% de presença em todos os municípios, comparando com dados do mesmo período do ano passado”, lembrou Manoel.

Foi lembrado também que o setor automotivo apresentou sim uma redução grande de consumo, mas alguns setores fortes da Economia, como o Agronegócio e máquinas pesadas continuaram produzindo e foi importante direcionar a atenção da coleta e rerrefino para esses setores.

Gustavo Cardoso diz a Lwart produz óleos básicos para alguns segmentos distintos que tiveram impactos diferentes. Lembrou que 72% do óleo usado processado na planta de rerrefino volta para o mercado em forma de óleo básico para produtores e formuladores de lubrificantes. “O impacto maior foi realmente no mês de abril, com quase 65% de queda no volume processado, sendo um momento bastante desafiador e muito importante para reforçar as parcerias com clientes e fornecedores. Ainda bem que já vimos uma retomada em maio, que se confirmou em junho, e já vemos em julho já estamos vendo a situação chegar próxima do normal, trazendo algum otimismo”, comentou Cardoso.

Uma nova tese para ser considerada

Manoel ressaltou que um ponto importante para se considerar é que a meta de coleta que se alcança com a logística reversa, ou seja, a coleta do OLUC, está declara pelo órgãos do governo como algo na ordem de 42%. “Queremos trazer uma tese nova para esse assunto e vamos endereçar uma carta ao Ministério do Meio Ambiente, pela associação da qual participamos, para mostrar que a eficiência do setor é, na verdade, em torno de 75% ou até maior” explica Manoel.

E continua: “Tomemos por exemplo o volume de mercado do ano passado, em torno de 1,3 bilhão de litros. Precisamos considerar que historicamente há um montante de 20% que se retira do total comercializado como dispensado de coleta, o que levaria o volume coletável a algo em torno de 1 bilhão. Além disso, ainda há perdas nos processos de utilização que, de acordo com referências dos Estados Unidos e Europa, que só permitiriam uma disponibilidade em torno de 60 a 70% desse volume. Como já coletamos cerca de 480 milhões, podemos dizer que coletamos algo em torno de 75% do disponível alcançável. Essa é a nossa tese”, explica Manoel.

Durante a live vários expectadores participaram com perguntas bastante interessantes, o que tornou bem dinâmica a entrevista.

Tudo o que foi apresentado pode ser conferido na íntegra no canal portallubes com o link https://www.youtube.com/watch?v=UW9iAvTstRM