Lubrificantes food grade: certificação ISO 21469 aumentando a qualidade

86

Lubrificantes food gradeLubrificantes food grade

Lubrificantes food grade – Os fabricantes de lubrificantes de grau alimetício que buscam distinguir seus produtos no mercado podem considerar adicionar a certificação ISO 21469 à sua credencial NSF H1.

O registro H1 com o corpo normativo NSF International demonstra que um lubrificante é adequado para uso em aplicações em que pode ocorrer contato acidental com alimentos. As empresas enviam a lista de componentes para o registro de um produto e a NSF verifica se a formulação se encaixa nos critérios originalmente estabelecidos pela Food and Drug Administration dos Estados Unidos. Por exemplo, os lubrificantes H1 não podem conter substâncias que representariam um risco para a saúde humana, caso ocorra contaminação de alimentos.

56% dos registros da NSF são para lubrificantes, disse Orsi Deszi, gerente da unidade de negócios de compostos não alimentares e serviços de materiais para contato com alimentos da NSF, disse durante um seminário on-line em 28 de abril. A maioria deles são registros H1.

Food grade e a ISO 21469

A ISO 21469, “Segurança de máquinas – Lubrificantes com contato acidental com os produtos – Requisitos de higiene”, foi publicada em 2005, e o programa de certificação da NSF estreou no ano seguinte. O interesse em estabelecer um padrão internacional cresceu com um pequeno subconjunto de fabricantes europeus, disse Deszi.

“Os fabricantes de lubrificantes nos informam que os fabricantes de alimentos estão exigindo lubrificantes food grade registrados”, disse Deszi posteriormente ao Lube Report. Os processadores de alimentos internacionais geralmente exigem a certificação. Alguns países, incluindo Brasil e China, escreveram a certificação em seus padrões nacionais.

Embora o NSF H1 e o ISO 21649 incluam uma revisão da formulação e do rótulo de um produto, apenas o último inclui uma auditoria anual com testes do produto para garantir a conformidade contínua, explicou Eric Beaudin, gerente de contas sênior da NSF, durante o webinar. Além disso, a ISO 21649 se estende de aplicações de processamento de alimentos a ração animal, cosméticos e produtos farmacêuticos. H1 é limitado à indústria de alimentos.

Embora o registro H1 não seja necessário para a certificação, a certificação ISO 9001 – um padrão básico de gerenciamento de qualidade – é um pré-requisito. “A ISO 9001 estabelece as bases para 21649, fornecendo um sistema uniforme de requisitos de gerenciamento de qualidade”, disse Beaudin.

A aquisição da certificação ISO 21469 inclui cinco etapas, continuou Beaudin: revisão de rótulos, revisão de formulações, avaliação de riscos, testes e auditoria de instalações de produção.

Se um produto estiver registrado no H1, a NSF usará a formulação que já está no arquivo como ponto de partida. As informações adicionais necessárias para a certificação incluem tolerâncias de formulação como um percentual em peso, uma lista atualizada de fornecedores, informações sobre marcas próprias e embalagens atualizadas que atendem aos requisitos de rotulagem para a certificação.

Beaudin garantiu aos participantes do webinar que todas as informações da formulação são mantidas em sigilo. Somente o nome e o produto da empresa são visíveis ao público. Por exemplo, um produto de marca própria aparecerá como se fosse fabricado separadamente.

Uma avaliação de risco completa inclui fases relacionadas à fabricação, manuseio e transporte, além de uso e reabastecimento. A conformidade com a ISO 9001 provavelmente criará um sistema semelhante ou até mais extenso do que o necessário para 21469, observou ele.

O teste do produto inclui análise infravermelha por transformada de Fourier para verificar amostras em relação a uma referência e garantir a consistência dos lotes ao longo do tempo. O critério de aprovação é superior a 97%. As amostras selecionadas aleatoriamente são solicitadas anualmente e todos os produtos certificados devem ser testados pelo menos uma vez a cada quatro anos.

A auditoria das instalações de produção diferencia o programa de certificação ISO 21469 dos programas de registro, observou Beaudin. Enquanto a auditoria inicial é planejada, as auditorias anuais não são anunciadas.

O custo da certificação depende do número de locais de fabricação e do número de produtos que estão sendo certificados, afirmou Deszi.

A InS Services, que também mantinha um programa de registro de lubrificantes de qualidade alimentar, foi adquirida pela NSF no ano passado.

Uma máquina de processamento de alimentos fazendo cookies. Os fabricantes de alimentos estão cada vez mais exigindo lubrificantes registrados.  Foto: © Mastercard Popov – Dreamstime.com