Nevoeiro: o maior agente disruptor do transporte de óleo básico

55
Transporte de óleo básico
Foto: George Santiago/Shutterstock. Navio em pleno nevoeiro no rio Mississipi.

Transporte de óleo básico

O transporte costeiro e fluvial é um meio importante de transporte de óleos básicos das refinarias ao longo da costa do Golfo dos Estados Unidos, especialmente para misturadores de lubrificantes nos estados do Sul, Centro-Oeste e Leste, com proximidade a rios como o Mississippi e o Ohio.

As barcaças oferecem um meio de entrega eficiente, mas também são vulneráveis ​​a perturbações climáticas.

Os furacões causam justificadamente muita consternação para as refinarias de petróleo da Costa do Golfo e seus clientes, mas o nevoeiro, o chamado Fog, é um disruptor maior, ocorrendo com mais frequência e bloqueando as cadeias de suprimentos por semanas a fio.

Para entender o impacto que isso pode ter, considere o que aconteceu no canal de navios de Houston em fevereiro de 2019. Um nevoeiro intenso fechou o tráfego por duas semanas e meia naquele mês, interrompendo as entregas de matéria-prima para refinarias e plantas petroquímicas e bloqueando o fornecimento de óleos básicos de dezenas de rebocadores e barcaças. Fontes da indústria estimam que a interrupção custou milhões de dólares às empresas de óleos básicos e lubrificantes.

“O impacto [do nevoeiro] é sentido pelos produtores e clientes”, disse Jason Hoff, gerente de óleo básico da Motiva Enterprises.

A indústria também usa outros modais de transporte de óleos básicos, mas as barcaças são a maneira mais econômica de fornecer óleo básico aos clientes – pelo menos àqueles que estão próximos o suficiente dos rios navegáveis.

Hoff informa que uma barcaça normal contém 10.000 barris de óleo básico, mas que algumass podem conter de 15.000 a 20.000 barris. Seria necessário 216 vagões e seis locomotivas para mover 15.000 barris de trem ou 1.050 grandes semi-reboques, de acordo com o Waterways Council Inc. O grupo comercial também informou que as barcaças podem mover uma tonelada de carga por 647 milhas com um galão de combustível, comparado a 477 milhas por trem e 145 milhas por caminhão.

As barcaças viajam muito mais devagar, é claro. Hoff apontou que o tempo de transporte na barcaça pode ser quase dez vezes maior do que no caminhão. Ele disse que as barcaças que viajam da Costa do Golfo para regiões distantes dos rios Mississippi ou Ohio podem levar 20 dias a um mês para chegar, enquanto os vagões podem durar até duas semanas e um caminhão entre três a quatro dias.

Ainda assim, as grandes quantidades que podem ser transportadas por barcaças as tornam uma escolha popular para levar óleos básicos. Fontes da indústria disseram que uma parcela significativa dos óleos básicos consumidos no Sul e Centro-Oeste é entregue dessa maneira, embora seja difícil obterem- se estimativas.

Não é de admirar, então, que a temporada de nevoeiro seja temida. “Muito sono é perdido à noite”, disse um especialista em nevoeiro do setor. “Mesmo com a avançada tecnologia climática, às vezes, o nevoeiro ainda interrompe o transporte e causa grandes problemas com as entregas”. A alta temporada de nevoeiro se estende de dezembro ou janeiro a março de abril e pode causar muitas dores de cabeça durante esse período.

Um nevoeiro especialmente denso é mais comum em fevereiro, de acordo com o Serviço Nacional de Meteorologia. Mark Fuchs, hidrólogo de serviço da NWS em St. Louis, disse que as hidrovias utilizadas como principais rotas de navegação produzem névoa de advecção, causada quando o ar quente e úmido se move sobre o ar mais frio e denso. Por ser mais espessa, torna a visibilidade ainda mais difícil.

“Imagine colocar uma toalha de praia molhada sobre todas as janelas do seu carro à noite e tentar dirigir 160 quilômetros por hora, usando apenas o GPS”, explicou o capitão Michael Bopp, presidente da Crescent River – Associação de Pilotos de Portos, sobre dirigir uma barcaça névoa. “É mais ou menos assim, mas os riscos são muito maiores.”

Várias vezes a cada temporada, a Guarda Costeira dos EUA deve emitir avisos de segurança dos navios durante a temporada de nevoeiro, onde todos os marinheiros devem ter cuidado extra em áreas de visibilidade reduzida. Os conselhos não exigem que o tráfego fluvial seja interrompido, mas as barcaças devem reduzir a velocidade e manter vigias adequadas. Esses alertas destinam-se, segundo a Guarda Costeira, a reduzir acidentes relacionados ao nevoeiro e, de maneira mais geral, garantir movimentos seguros nas vias navegáveis. Em 2019, quase 20 avisos de nevoeiro foram emitidos pela Guarda Costeira ao longo do rio Mississippi.

A duração dos atrasos que esses incidentes causam às cargas individuais pode variar bastante – de poucas horas a semanas -, assim como a quantidade de tempo perdida em toda uma estação. No final de fevereiro, a Associação de Pilotos Crescent City de Nova Orleans relatou que apenas alguns dias haviam sido perdidos em 2020, embora a organização tenha observado que a temporada não havia terminado. Um inverno ameno ajudou a manter as barcaças em movimento ao longo do poderoso Mississipi e outros rios, incluindo o Ohio, disseram fontes.

Fornecedores de óleo básico e misturadores de lubrificantes concordaram que o nevoeiro pode ser uma perturbação formidável. Em alguns anos, ele pode interromper o envio apenas alguns dias, mas, quando bate forte, os custos podem ser enormes. O fechamento de 17 dias do Houston Shipping Channel, em 2019. causou mais de US $ 1 bilhão em perdas para todos os setores, segundo estimativas. Em 2015, o nevoeiro fechou o canal de entrega por 28 dias no total.

Esses anos podem ser extremos, mas qualquer empresa que confie em barcaças para fornecer matérias-primas acabará sendo impactada. “O nevoeiro não é um discriminador”, concluiu Hoff. “Isso atinge a todos.”