Lubrificação de correntes: Um desafio para a manutenção

179

Marcos Thadeu Lobo

Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional de Suporte Técnico em Produtos. E atualmente exerce a função de Consultor Técnico Sênior.

A manutenção das correntes de acionamento em equipamentos móveis e industriais constitui um particular desafio em face da severidade da condição de serviço a que estes elementos de máquinas são expostos. Os ambientes em que as correntes operam podem ser extremamente poeirentos e úmidos e a força centrífuga a que são submetidas torna extremamente difícil a sua lubrificação.

Figuras 1/2 – Correntes, muitas vezes, operam em ambientes poeirentos e úmidos.

Um dos métodos mais usuais de se lubrificar correntes (nunca é demais mencionar que a lubrificação de correntes com graxa é método que deve ser evitado pela ineficácia) é manualmente e utilizando-se de pincel, brocha ou almotolia.

Figuras 3/4 – Lubrificação manual por almotolia ou pincel

Estes métodos de lubrificação, porém, não são dos mais satisfatórios devido a:

 

  1. Os intervalos podem ser muito espaçados e irregulares.
  1. Os pinos e buchas não são lubrificados de forma eficiente.
  1. A limpeza (remoção de material particulado sólido abrasivo) é deficiente.

Como alternativa à lubrificação manual de correntes de maquinários móveis ou industriais por pincel, brocha ou almotolia pode-se mencionar:

Lubrificação de correntes por meio de copo conta-gotas

Este método é relativamente eficaz visto propiciar a lubrificação e remoção de material particulado sólido abrasivo (limpeza) continuadas das correntes, reduzir-se a necessidade das constantes e, nem sempre possíveis, intervenções do mecânico-lubrificador como no caso da lubrificação manual com pincel ou almotolia. Há disponível no mercado copos conta-gotas de variadas capacidades volumétricas que possibilitam a reposição programada do óleo lubrificante com o maquinário em operação, obviamente levando-se em conta questões de segurança, de forma a disponibilizar a lubrificação e limpeza contínuas das correntes.

lubrificação de correntes

 

 

 

 

 

 

Figuras 5/6 – Copo conta-gotas: ajuste do fluxo de lubrificante

A lubrificação por copo conta-gotas tem o benefício adicional de se poder ajustar a quantidade despachada de lubrificante, através de parafuso de ajuste, conforme a condição de serviço e pode ser bem utilizado em equipamentos com regime de operação contínuo ou intermitente.

 

 

 

 

 

 

Figuras 7/8 – Copo conta-gotas: regime de operação contínuo ou intermitente

Lubrificação utilizando copo com mecha ou copo lubrificador com escova.

Estes métodos proporcionam lubrificação e remoção de material particulado sólido abrasivo (limpeza) das correntes de forma contínua apresentando o inconveniente, porém, de não ser possível efetuar-se a regulagem do fluxo de óleo lubrificante e a interrupção da lubrificação quando da paralisação do maquinário sendo necessário um monitoramento mais frequente do nível de óleo lubrificante. Este método de lubrificação tem maior aplicação em maquinários com regime de operação contínuo.

 

 

 

 

 

 

 

Figuras 9/10 – Copo com mecha e lubrificador com escova

 

Lubrificação de correntes por banho de óleo

Neste método, os pinos e as buchas das correntes são lubrificados de forma eficaz e contínua por óleo lubrificante contido em cárter havendo, também, menor deposição de material particulado sólido abrasivo (limpeza), apresentando boa aplicação em maquinários com regime de operação contínuo ou intermitente.

 

 

 

 

 

 

Figuras 11/12 – Banho de óleo: pinos e buchas bem lubrificados e limpos

Sistema automatizado de lubrificação de correntes

Conforme a necessidade de confiabilidade e disponibilidade do maquinário a lubrificação de correntes pode ser realizada por meio sistema de lubrificação automatizado.  Este método é bastante eficiente visto dar ao mecânico-lubrificador mais tempo para outras atividades necessárias. A lubrificação de correntes por sistema de lubrificação automatizado necessita, porém, de maiores investimentos em componentes ( ex. bomba de óleo lubrificante; sistema de temporização do fluxo de óleo lubrificante etc. ) e estudos técnicos mais detalhados.

 

 

 

 

 

Figuras 13/14 – Sistema de lubrificação automatizado: bastante eficiente

A recomendação para lubrificação de correntes de acionamento de equipamentos móveis ou industriais é que o processo deve realizado de forma contínua e regular, de maneira que a película lubrificante possa ser satisfatória entre os pinos e buchas e haja a mínima deposição de material particulado sólido abrasivo (limpeza). Fato é que a lubrificação de correntes em maquinários móveis e industriais muitas vezes é negligenciada sendo o maior custo não a da corrente, em si, mas o do maquinário indisponível. Vale a pena pensar sobre esta questão, muitas vezes de fácil resolução.

 

 

 

 

 

Figuras 15/16 – Lubrificação de correntes: muitas vezes negligenciada

 

Outros artigos do Autor

Boroscopia: ferramenta útil na inspeção de motores de combustão interna

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Como proteger equipamentos inativos contra a corrosão e ferrugem

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Quando se utilizar lubrificantes sólidos?

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...
Cuidados básicos com os lubrificantes

6 cuidados básicos com os lubrificantes aumentam a confiabilidade

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Acompanhando o óleo de turbocompressor pelo teste RPVOT

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...