Mais uma planta irá produzir grupos II e III na Índia

77

grupos II e IIIA Bharat Petroleum Corp. Ltd. contratou a Chevron Lummus Global para fornecer tecnologia que será usada para produção de básicos de Grupos II e III à sua planta em Mumbai. Este é o segundo projeto desse tipo anunciado na Índia nos últimos três meses. Ainda não foram divulgados os graus de viscosidade envolvidos no processo.

Índia acompanha mudança de mercado para grupos II e III

Observadores disseram que isso reflete a mudança do mercado para óleos básicos mais refinados e que os fornecedores domésticos querem lucrar com a tendência.

Em comunicado no mês passado, a Chevron Lummus Global (CLG) disse que recebeu um contrato da Bharat Petroleum Corp. Limited (PCL) para a licença e o design de sua unidade de óleos lubrificantes básicos hidrocraqueados para aumentar a capacidade local.

A planta da BPCL em Mumbai usará as tecnologias registradas de hidrocraqueamento, isomerização de cera e acabamento de hidrogênio da CLG para a produção de combustíveis limpos de alta qualidade, graus premium de óleos báscos lubrificantes e óleos brancos, acrescentou.

Atualmente, a fábrica da BPCL tem capacidade para produzir 180.000 toneladas métricas por ano dos básicos do Grupo II. Até o momento, a empresa não respondeu a perguntas sobre se o projeto é uma expansão ou atualização, a quantidade de capacidade que será adicionada e se a capacidade adicional de óleo básico será para o Grupo II ou o Grupo III.

Terceiro maior mercado do mundo

A Índia é o terceiro maior mercado de lubrificantes acabados do mundo, mas possui um grande déficit de capacidade de óleo básico e, portanto, é um dos maiores importadores do mundo desse produto. Sudip Shyam, chefe global de desenvolvimento de negócios de óleos básicos e lubrificantes da GP Global, estimou recentemente que o país importou 3 milhões de toneladas métricas de óleo básico em 2018 em comparação com 1 milhão de toneladas de produção doméstica.

O mercado também está mudando do Grupo I para os Grupos II e III. A GP Global, sediada nos Emirados Árabes Unidos, calcula que três quartos dos básicos importados no ano passado eram de Grupo II ou III.

Melhoria da qualidade dos lubrificantes

Durante anos, a Índia foi um mercado de lubrificantes acabados de qualidade relativamente baixa, mas mudou para produtos de melhor qualidade nos últimos anos. Os analistas preveem que essa tendência se acelerará nos próximos anos, devido a normas de emissões cada vez mais rigorosas, alterações nas recomendações dos fabricantes de equipamentos originais para lubrificantes acabados e aumento dos padrões de eficiência de combustível.

Em abril próximo, o país deve saltar dos padrões de emissões de automóveis do estágio IV de Bharat para o estágio VI de Bharat, na tentativa de acelerar sua luta contra a poluição do ar local e o aquecimento global. Esses padrões impactarão os lubrificantes automotivos ao restringir o uso de produtos químicos que comprometam as tecnologias de controle de emissões e exigirão maiores contribuições para a economia de combustível.

“A Índia está testemunhando uma jornada de atualização de desempenho de produtos nos tempos atuais, graças à mudança do estágio Bharat IV para o BS VI e ao compromisso geral de OEMs e empresas de lubrificantes em obter economia de combustível, durabilidade do motor e controle de emissões. Isso exige óleos básicos dos Grupos II e III ”, disse Shailendra Gokhale, sócio-gerente da Rosefield DAA International Consultancy LLP, com sede em Mumbai.

Ele estimou que a contribuição do Grupo II nas formulações indianas de lubrificantes é de cerca de 70%, enquanto o Grupo III é de 10% agora e deve aumentar. Nos últimos anos, o país importou quantidades crescentes do Grupo II e III de países como Coréia do Sul, Cingapura, Arábia Saudita, Estados Unidos e Espanha.

Produtores locais de olho na demanda

A Índia possui quatro produtores domésticos de óleos básicos, BPCL, Indian Oil Corp. Ltd., Hindustan Petroleum Corp. Ltd. e subsidiária da IOCL Chennai Petroleum. O grupo fez poucos investimentos em seus negócios nos últimos anos, mas aparentemente eles agora estão de olho no aumento de capacidades.

A Indian Oil Corp., de propriedade do governo, disse em julho que espera em 2022 comissionar uma planta de óleo básico de 270.000 toneladas por ano que produzirá principalmente Grupo III em sua refinaria de Haldia, em Bengala Ocidental.

A Castrol Índia disse no início deste ano que estava querendo expandir a capacidade de sua planta de mistura de Silvassa em 50% até 2021, para se adaptar ao cenário de mudança da indústria de lubrificantes indiana e atender à crescente demanda.

Empresas entendem benefício de fabricação local

Fontes da indústria disseram que as empresas nacionais de lubrificantes veem benefícios em aumentar a capacidade local para os Grupos II e III. Gokhale disse que os misturadores domésticos tentam equilibrar seus portfólios de óleos básicos locais e importados.

Os óleos básicos locais os ajudam a ter flexibilidade e elasticidade no controle de seu capital de giro, caso a demanda por lubrificante caia repentinamente, disse ele, e ao mesmo tempo lhes permite responder mais rapidamente se a demanda aumentar.

“Os anúncios de aumento de capacidade mostram que o consumo doméstico está subindo e eles perceberam a preferência dos misturadores pelos óleos básicos locais dos Grupos II e III”, disse Gokhale.

Zaheer Premjee, sócio da Satyam Lubricants, com sede em Pune, concordou. Ele disse que o mercado já mudou para óleos básicos de melhor qualidade, e as empresas governamentais como BPCL e IOCL terão que se preparar para atender aos requisitos de novas especificações.