Previsão aponta para menos projetos de óleos básicos

213

Com o aumento dos excedentes de oferta e o encolhimento dos orçamentos para investimentos, o número de novas plantas de óleos básicos e as expansões de capacidades devem desacelerar nos próximos anos. A previsão vem do consultor Stephen B. Ames, que também previu o fechamento de um número significativo de plantas.

As informações foram passadas na ICIS World Base Oils & Lubricants Conference, em Londres, em 16 de fevereiro. “A perspectiva da margem não é propícia às oportunidades de investimento em plantas de óleos básicos”, disse Ames, diretor da Pepper Pike, SBA Consulting, sediada em Ohio.

previsão
Foto: Kamonrat / Shutterstock

O mercado global tem um grande superávit porque novas capacidades de produção têm aparecido consistentemente mais rápido do que o ritmo de fechamento de fábricas existentes, mesmo que a demanda tenha permanecido quase inalterada.

Desde 2006, o mercado adicionou novas capacidades, totalizando cerca de 17 milhões de toneladas por ano. Os fechamentos durante esse período totalizaram apenas 7 milhões de toneladas. “Em apenas três anos as adições foram compensadas por fechamentos, sendo os mais recentes em 2015”, disse Ames.

Dado o crescente desequilíbrio, não é surpreendente que o entusiasmo dos refinadores para continuar a adicionar capacidade de produção começou a diminuir. “Desde 2014, 27 projetos com uma capacidade acumulada de mais de 6 milhões de t oneladas/ano foram indefinidamente adiados ou cancelados”, disse Ames.

O montante de financiamento disponível para projetos de plantas de óleos básicos também diminuiu, uma vez que os preços mais baixos do petróleo obrigaram as empresas de petróleo a apertar os cintos. Para o futuro previsível, Ames entende que os refinadores empreenderão menos projetos. “Já não estamos enfrentando um” tsunami “contínuo de adições de capacidade. A situação está mais para uma onda remanescente e depois para um mar relativamente calmo”.

Vários projetos estão em andamento e bastante avançados, e esses provavelmente serão concluídos. Ames citou oito projetos que poderiam agregar uma capacidade combinada de 4 milhões de toneladas / ano de capacidade de Grupo II e III em 2021, principalmente na Ásia e na Europa, incluindo a Rússia. Além disso, ele previu um adicional de 1 milhão de toneladas / ano de nova capacidade em projetos de polialfaolefina e básicos naftênicos, juntamente com o aumento de capacidade em instalações existentes.

Esses projetos vão agravar o excesso de oferta atual, disse ele, mas não tanto quanto os analistas esperariam há alguns anos. Apenas no ano passado Ames previu que um total de 7 milhões de toneladas/ ano de capacidade seria adicionado ao longo do mesmo período de tempo.

Ames coloca o superávit atual de óleos básicos em 5 milhões de toneladas por ano, contido apenas por fechamentos de plantas e uma taxa de utilização de plantas em todo o setor que caiu para aproximadamente 70%.

Previsão inclui também fechamentos

Com tanto desequilíbrio entre demanda e oferta e mais suprimento no caminho, é inevitável, disse Ames, que certas fábricas existentes vão fechar, uma tendência que se prolongou por anos. “Eu acredito que 6 milhões de toneladas de capacidade poderiam fechar nos próximos cinco anos”, disse ele, observando que o número é maior do que suas próprias estimativas anteriores.

A previsão é que muitas das fábricas que fecharão serão produtoras do Grupo I, estimando que a capacidade global do Grupo I cairá de 21,5 milhões toneladas / ano em 2016, para 14,2 milhões toneladas / ano até 2021. Ele também previu que, ao invés de fechar, algumas fábricas existentes serão reaproveitadas, principalmente para plantas do Grupo II nos Estados Unidos, que convertem parte de sua produção para o Grupo III.

SOURCELube Report