Biolubrificantes buscam espaço no mercado

542

biolubrificantesHistoricamente, os biolubrificantes têm participado com uma pequena porcentagem no mercado mundial de lubrificantes acabados. Os principais mercados de biolubrificantes são principalmente na América do Norte e Europa, incluindo os Estados Unidos, Alemanha e os países nórdicos, de acordo com a empresa de pesquisa Kline.

Em 2014, o mercado já indicava ter um tremendo potencial. Agora, nos primeiros dias de 2017, estamos lentamente testemunhando os frutos desse potencial. De acordo com a empresa de pesquisa, as regulamentações e aquisições governamentais parecem ter criado uma demanda por lubrificantes de base biológica. No entanto, parece que as iniciativas governamentais, ao lado de regulamentos e necessidades de bases de alto desempenho, estão empurrando o segmento, considerado um nicho, para a frente, embora moderadamente.

A força do governo para o biolubrificantes

Em 2016, várias agências governamentais norte-americanas, como a Força Aérea e o Departamento de Defesa, testaram óleos de motor baseados em biolubrificantes, com a intenção de convertê-los em veículos terrestres não táticos, quando esses produtos estiverem comercialmente disponíveis.

Se as agências aprovarem os biolubrificantes como óleos de motor, elas poderiam exigir seu uso em sua frota de aproximadamente 200.000 veículos. Potencialmente, isso poderia se espalhar por todas as frotas de agências governamentais, incluindo serviços civis e militares, o que aumentaria o número para mais de 600 mil veículos.

Se o setor público adotar os biolubrificantes, isso vai impulsionar sua demanda nos Estados Unidos e, provavelmente, se espalhar para outros mercados do mundo.

Tudo isso é possível devido à disponibilidade de produtos de base biológica de alto desempenho de empresas como Novvi, Biosynthetic Technologies e Advonex.

As grandes empresas globais de lubrificantes também estão entrando neste mercado. Em novembro de 2016, a BP anunciou que está entrando no segmento de biolubrificantes com o lançamento do óleo de motor Edge Bio-Synthetic, que é o primeiro produto vegetal da empresa. A BP alega que o produto é indistinguível em termos de desempenho de outros produtos BP e Castrol, no entanto, um quarto da formulação é baseado em plantas. O produto é esperado chegar às prateleiras de varejistas já nesse início de 2017.

Alguns fabricantes estão dando um salto em termos de biolubrificantes, e muitos outros mais provavelmente seguirão nesse caminho. Como resultado de regulamentos, crescente conhecimento ambiental, e aumento da demanda por lubrificantes sustentáveis, mas de alto desempenho, mais formulações de bases biológicas que permeiam o mercado são esperadas.