Toyota e Exxon firmam parceria para testar etanol nos Estados Unidos

Segundo empresas, combustível testado emite 75% menos CO2 do que a gasolina

91

Toyota e Exxon firmam parceriaToyota e Exxon firmam parceria

Toyota e Exxon firmam parceria – A Exxon e a Toyota formaram uma parceria para testar biocombustíveis em motores a combustão. A ideia por trás do desenvolvimento conjunto é criar um oferta de combustíveis que reduzam a pegada de carbono da frota circulante que transita para a eletrificação.

Ambas as companhias afirmam que testam um combustível que emite 75% menos CO2 na atmosfera na comparação com a gasolina. O combustível, no caso, é um velho conhecido do mercado brasileiro: o etanol.

“Ter uma solução para combustíveis líquidos que podemos usar na frota existente, tendo isso no tipo de construção política em que permitimos que o mercado inove, é a maneira de menor custo para descarbonizar o transporte”, disse Andrew Madden, vice-presidente de estratégia da Exxon.

Tanto a Exxon quanto a Toyota têm um longo histórico de testes de tecnologias para reduzir as emissões de transporte, mas poucas prosperaram.

A Exxon, por exemplo, promoveu as algas como uma alternativa sustentável ao diesel por anos antes de abandonar a ideia, enquanto a Toyota gastou muito em uma pequena linha de veículos movidos a hidrogênio.

Os automóveis movidos a bateria ainda enfrentam obstáculos significativos para a adoção em massa, como a disponibilidade de estações de recarga, longos tempos de recarga e o alto preço de veículos novos.

Além disso, eles não são carbono zero se alimentados por eletricidade gerada em matrizes fósseis, como gás natural e carvão.

“Não importa qual seja o ritmo da transição da eletrificação, haverá um bilhão, senão centenas de milhões de veículos nas estradas por um bom tempo”, disse Tom Stricker, vice-presidente de sustentabilidade e assuntos regulatórios da Toyota ao site Automotive News.

“Os combustíveis com baixo teor de carbono serão bastante importantes para alcançar rapidamente essas reduções de gases de efeito estufa”, completou.