Exportações de veículos desaceleram no segundo semestre

Média mensal de Exportações de veículos no último bimestre foi de 26,5 mil unidades, ante 33 mil até junho

16

 

Exportações de veículos desaceleram no segundo semestre

Exportação de veículos desaceleram

Exportações de veículos desaceleram no segundo semestre – Mesmo com a natural recuperação frente ao desempenho do ano passado, muito afetado pelas medidas de restrições para evitar a disseminação da Covid-19 tanto no Brasil como nos principais mercados consumidores, as exportações brasileiras de veículos brasileiros ainda estão, em unidades, bem distantes do ritmo pré-pandemia.

Olhando para os 253,3 mil automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus embarcados de janeiro a agosto, 43,5% a mais do que em igual período do ano passado, não deixa de ser um saldo a ser comemorado num primeiro momento. Entretanto, ele representa  recuo acima de 17% sobre os embarques dos oito primeiros meses de 2019 e quase a metade do registrado em 2018, quando mais de 484 mil veículos foram exportados de janeiro a agosto.

E a recuperação das exportações, a exemplo da produção e vendas internas, também vem diminuindo sua velocidade a partir do terceiro trimestre. Se até junho a média mensal de embarques ficou no patamar de 33 mil, entre julho e agosto caiu para 26,5 mil.

O motivo, aponta a Anfavea, é a própria debilidade na produção brasileira, impactada por seguidas paralisações das fábricas, que não dispõem de componentes, sobretudo eletrônicos, para dar conta dos pedidos. “Mercados como Chile, Colômbia e Peru seguem em boa recuperação”, pondera Luiz Carlos Moraes, presidente da entidade, sugerindo que o quadro das vendas externas poderia ser bem mais favorável.

Em valores, porém, as montadoras contabilizam ligeiro crescimento até mesmo sobre os primeiro oito meses de 2019. Foram faturados US$ 4,9 bilhões em 2021 versus US$ 4,8 bilhões dois anos antes. A comparação com o saldo de janeiro a agosto de 2020 é, claro, muito superior: crescimento de 54,9%.

Moraes justifica essa aparente contradição com a mudança do mix dos veículos exportados para produtos de maior valor agregado, como versões mais sofisticadas de automóveis e caminhões.

Em agosto, seguiram para outros países 29,4 mil automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. O número é 24% maior do que em julho e 5,5% acima do total embarcado em igual período do ano passado.