BC está “supertranquilo” com inflação e não vê motivação para política monetária diferente, diz Kanczuk

46
Política monetária
Banco central

Política monetária

Política monetária – Há pressão inflacionária corrente na economia brasileira, mas o Banco Central não vê o movimento adentrando 2021 e 2022, razão pela qual segue “supertranquilo”, indicou o diretor de Política Econômica da autarquia, Fabio Kanczuk, nesta sexta-feira.

“Isso não deve fazer política monetária ser diferente”, disse ele em participação online no evento Itaú MacroVision. “Na nossa leitura, é algo temporário.”

Kanczuk destacou que parte da inflação de curto prazo mais alta já era esperada pelo BC conforme foi comunicado em setembro. Ele reconheceu que a magnitude do avanço foi maior, mas frisou que isso não deve constituir um problema para os próximos dois anos –horizonte relevante para a política monetária–, já que o BC prevê retração da demanda “semiartificial” impulsionada pelo auxílio emergencial, com volta do hiato do produto e dos preços.

“Antes da pandemia a gente estava com hiato grande e estava com a inflação muito baixa. Então o cancelamento da pandemia voltaria para essa situação onde a inflação baixa era um problema, e não inflação alta”, frisou.

“Na cabeça do Banco Central as coisas estão acontecendo meio como a gente esperava”, disse. “A gente está de olho, até porque é nosso trabalho ver em que sentido isso se manifesta no resto dos preços, mas por enquanto, supertranquilo.”