Mercado Brasileiro de Lubrificantes tem queda de 3,3% no primeiro trimestre de 2020

413

Mercado Brasileiro de LubrificantesMercado Brasileiro de Lubrificantes

O mercado brasileiro de lubrificantes apresentou nos três primeiros meses uma queda de 3,3% comparados ao mesmo período de 2019. Cabe considerar que no ano passado tivemos um mês de fevereiro com 20 dias úteis, o que não acontecia há 5 anos. Em comparação com 2018, o trimestre apresentou aumento de 1,4% nas vendas de lubrificantes. Alguns nomes novos aparecem entre as 10 empresas que mais venderam nesse período.

A pesquisa da revista Lubes em Foco apresenta um volume de 322.394 m3 de vendas de lubrificantes no mercado, no primeiro trimestre de 2020, que fica um pouco diferente dos números apresentados pela ANP, principalmente no que se refere a números de grandes empresas. Essa pesquisa leva em consideração números obtidos diretamente com as grandes empresas e não os publicados pela ANP, para mostrar uma maior realidade com o mercado.

A Iconic Lubrificantes foi a líder de vendas nesse período, com 19,5% de participação de mercado, seguida pela BR Distribuidora com 18,6%, Cosan com 14,1% , Shell com 9,7% e Petronas com 8,7%.Mercado Brasileiro de Lubrificantes

Mercado de lubrificantes tem novidades no TOP 10

A novidade entre as maiores empresas em vendas de lubrificantes fica por conta das empresas Energis 8 (1,9%), Ultrax (1,7%) e Marcio Benedito Vecchi (1,6%), que apresentaram um excepcional desempenho, principalmente nos mercados de “pulverização agrícola” e “engrenagens e sistemas circulatórios”. Esses dois segmentos tiveram aumentos significativos, se compararmos ao desempenho de 2019, mostrando que esses mercados específicos tiveram um aumento de volume de 74,1% e 90,8% respectivamente.

As importações de óleos básicos mantiveram o mesmo nível do ano passado, em cerca de 106.051 m3, sendo que a importação de óleos acabados cresceu 12,4% no trimestre.

Esse primeiro trimestre de 2020 ainda não mostrou os efeitos da pandemia da Covid-19 e da quarentena iniciada em abril, mas já apontava para uma desaceleração do mercado, que fica agora em uma grande expectativa sobre o impacto que virá desses meses em que a Economia sofreu um grande golpe em todos os setores.