Vendas de automóveis na China caem novamente

38

vendas de automóveis na China

As vendas de automóveis na China caíram novamente em 2019, diminuindo 8,2%, para 25,8 milhões de unidades, de acordo com dados divulgados pela Associação Chinesa de Fabricantes de Automóveis – CAAM .

O declínio do ano passado foi mais acentuado do que em 2018, quando as vendas caíram 2,8%, para 28,1 milhões, devido à eliminação de incentivos fiscais para compras de veículos novos. O fraco desempenho em 2019 foi atribuído à guerra comercial entre a China e os Estados Unidos e à instável confiança do consumidor.

Declínio nas vendas de automóveis no mercado chinês

O declínio em 2018 foi o primeiro no mercado chinês desde 1990.

As vendas de automóveis de passageiros caíram 9,6% em 2019, para 21,4 milhões de unidades, de acordo com o anúncio da CAAM em 13 de janeiro.

As vendas na categoria de sedãs e hatchback – que representaram 40% das vendas de carros da China no ano passado – caíram 10,7%, para 10,3 milhões de unidades. Enquanto isso, as vendas na categoria de veículos utilitários esportivos – que representaram mais de 36% das vendas de carros do país no ano passado – caíram 6,3%, para apenas 9,4 milhões de unidades em 2019. Os veículos multiuso sofreram um declínio de 20,2%, para pouco menos 1,4 milhão de unidades, representando 5,4% do total. As vendas de picapes caíram 4,7 por cento, para 452.000.

Elétricos também caíram

As vendas de novos veículos energéticos, que incluem automóveis movidos a células de combustível, mas a maioria consiste em veículos elétricos, caíram 4%, para 1,2 milhão. Nessa categoria, as vendas de veículos elétricos com bateria caíram 1,2%, para 972.000 unidades, enquanto as vendas de veículos híbridos plug-in caíram 14,5%, para 232.000 unidades.

As vendas de veículos comerciais caíram 1,1%, para 4,3 milhões de unidades. A associação citou vários fatores favoráveis ​​para o melhor desempenho das vendas de veículos comerciais: uma recuperação no investimento em infraestrutura, a eliminação de veículos que só atendiam ao padrão nacional de emissões III da China, o rápido desenvolvimento de novos veículos de logística de energia e o aperto nas regulamentações.