Austália cria associação independente para lubrificantes

54

Australian Lubricant Association

A recentemente fundada Associação Australiana de Lubrificantes – ALA segue o modelo de instituições similares em todo o mundo, como a União Independente da Indústria Europeia de Lubrificantes – UEIL, a Associação Independente de Fabricantes de Lubrificantes nos Estados Unidos – ILMA e a União Asiática de Fabricantes de Lubrificantes – ALMU.

A nova associação planeja estabelecer processos para a verificação de etiquetas e padronização de produtos lubrificantes vendidos no país, além de fornecer assistência técnica aos membros e desenvolver programas de treinamento.

É a primeira associação do setor na Austrália dedicada principalmente à indústria de lubrificantes.

A necessidade de uma organização que tenha como objetivo  validar reivindicações de produtos lubrificantes ocorre como resultado da explosão no número de classes de lubrificantes e especificações cada vez mais complexas para atender aos cada vez mais rigorosos padrões de emissões, juntamente com um aumento significativo nos produtos importados.

“A ideia é dar ao público australiano certeza sobre a escolha de produtos lubrificantes, para que eles saibam que, se um produto for aprovado pela ALA, ele atenderá todas as especificações exigidas”, disse Barry Anchen, que liderou o esforço para formar a nova associação. Anchen é sócio de uma consultoria de gestão sediada em Melbourne.

Embora a indústria e o mercado australiano de lubrificantes e graxas sejam geralmente reconhecidos como produtos de alta qualidade e confiáveis, o incremento das importações nos últimos anos aumentou a preocupação de que os padrões da indústria estejam caindo, levando a um nível maior de risco para os consumidores em relação a escolha de lubrificantes.

A indústria australiana de lubrificantes foi avaliada em quase US$ 1,4 bilhão e tem cerca de 160 players, de acordo com uma pesquisa de 2019 realizada pelo grupo de pesquisa de mercado IBISWorld. A Austrália é caracterizada como um mercado sofisticado, com boa demanda por produtos de alta qualidade, principalmente nos mercados automotivo, de mineração e agrícola.

“Há muitas coisas em que realmente precisamos olhar bastante na indústria de lubrificantes australiana”, disse Anchen. Ele disse que percebeu a necessidade de um grupo que apoiasse a indústria, depois de deixar uma empresa multinacional de petróleo. “A Austrália tem um problema significativo com a entrada de óleos baratos no mercado – produtos que geralmente não são adequados para a finalidade pretendida”, observou ele. “Esta é uma preocupação real.”

Anchen disse que a idéia nasceu após deixar a ExxonMobil, quando a mesma parou de produzir em Melbourne, e ingressar em uma empresa de lubrificação muito menor. A ExxonMobil fechou sua fábrica de lubrificantes em Yarraville, em 2011, e mudou para um modelo de importação na Austrália, fornecendo produtos lubrificantes Mobil de uma afiliada em Cingapura. Depois de 20 anos na gigante da energia, Anchen disse que ficou surpreso com alguns dos problemas que os participantes menores enfrentavam, em particular a falta de recursos, como conhecimentos técnicos.

“Quando você trabalha para uma grande empresa multinacional de petróleo, tudo fica em casa”, disse ele. “Você tem todas as respostas dentro da empresa; Quando você trabalha para uma empresa pequena ou mesmo para um fabricante de lubrificantes de tamanho médio, é necessário terceirizar alguns, se não a maioria, dos requisitos técnicos. A ideia de prestação de serviços técnicos é efetivamente a de ser um ponto de apoio abrangente para ajudar pequenas organizações que possam ter dúvidas sobre especificações ou mesmo sobre a fabricação. ”

Um comitê de direção foi criado em novembro de 2017. “Isso era para obter entendimento comum sobre o que a associação poderia fazer e como poderíamos ajudar o setor”, disse Anchen. Uma das primeiras opiniões comuns do comitê de direção foi que o nome inicial, Associação Australiana de Fabricantes de Lubrificantes, era enganoso, sugerindo que era exclusivo dos fabricantes. A ideia da associação é ser para toda a cadeia produtiva da indústria – fabricantes, fornecedores de matérias-primas, atacadistas, importadores e varejistas. Então, o comitê decidiu chamá-lo de Associação Australiana de Lubrificantes – ALA.

A ALA lançou um site em dezembro e inscreveu 14 organizações como membros. Os membros agora listados no site incluem Harrison, Penrite, ReOil, Redox, QP Lubes, Tritec e Phoenix Lubricants.

De acordo com o site da ALA (https://lubeassoc.com.au), a associação vai melhorar  a reputação da indústria australiana de lubrificantes, garantindo que os lubrificantes importados e fabricados na Austrália atendam às especificações internacionais e erradicando alegações falsas e conduta enganosa.

“Para atingir esses objetivos, a ALA advogará pela adoção de legislação para garantir a qualidade do lubrificante, auxiliar os clientes na seleção de lubrificantes adequados à finalidade e apoiar as melhores práticas do setor”, afirmou o site.

Anchen disse que a ALA preparou um formulário que os clientes podem usar para a solicitar a verificação ou fazer reivindicações de produtos. A ALA também planeja buscar assistência financeira do governo para desenvolver um curso de treinamento on-line credenciado e organizar um seminário no início do primeiro trimestre de 2020.