Célula de hidrogênio a etanol: Nissan e USP assinam acordo

75

Célula de hidrogênio a etanolCélula de hidrogênio a etanol

A Nissan e o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), ligado à USP, assinaram um convênio. Ele é relativo a segunda fase do projeto do uso do etanol em automóveis movidos à célula de combustível. Inédito no mundo, o sistema permitirá que o próprio combustível da cana gere a energia para a célula. Isso evita a necessidade de carregar na tomada, tornando mais viável a chegada de carros elétricos do País.

Os estudos começaram em 2016 pela Nissan do Brasil e a matriz e já foram realizados testes com um protótipo. Os testes comprovaram a viabilidade do uso do bioetanol (etanol de segunda geração). “Agora o objetivo é trabalhar na redução do tamanho dos equipamentos, no aumento do desempenho e na redução de custos para que a tecnologia seja disseminada”, explicou Wilson Cravo, diretor do Ipen.

Além de ser uma tecnologia com praticamente zero emissão de poluentes pelos veículos, ela é mais fácil de ser adotada. Isso porque o País já dispõe de ampla rede de postos de combustíveis. Por outro lado, o sistema de carregadores de baterias ainda não está disponível em larga escala.

Segundo Marco Silva, presidente da Nissan do Brasil, o Ipen foi escolhido pela matriz do grupo para tocar essa nova fase do projeto por já trabalhar, há cerca de 15 anos, com estudos visando o uso do etanol em células de combustível. “É um projeto de grande interesse do País por se encaixar na nossa matriz energética”, afirma. “Além disso, o conhecimento das instituições brasileiras, como o Ipen, vai contribuir para uma iniciativa global da marca, que pode beneficiar não só o Brasil, mas todo o mundo.”

Essa tecnologia foi um dos temas abordados no mês passado durante o Salão do Automóvel de Tóquio, no Japão, onde as empresas tradicionalmente apresentam as tecnologias futuros para o setor automobilístico. O evento de hoje ocorreu no campus do Ipen, na Cidade Universitária.

Investimento no etanol

Os dois parceiros vão investir inicialmente R$ 300 mil, mas, por ser um convênio de 60 meses, em princípio, novos aportes deverão ser aplicados na medida do necessário.

Segundo a Nissan, o projeto envolve o desenvolvimento de uma Célula de Combustível de Óxido Sólido (chamada de SOFC). Ela funciona por meio da energia elétrica gerada a partir da utilização do bioetanol. Pelos testes feitos até agora com o protótipo, o uso desse sistema combinado com a alta eficiência dos motores elétricos e o sistema de bateria garantem ao veículo autonomia superior a 600 km com 30 litros de etanol.

“A colaboração do Ipen será no desenvolvimento da célula de combustível a etanol de menor porte (do que o usado nos testes), mais eficiente e mais barato”, afirmou Fabio Coral Fonseca, pesquisador do instituto e responsável pelo projeto. “A vantagem é transformar diretamente em eletricidade a energia de um combustível renovável e estratégico para o País para viabilizar o carro elétrico”

VIACanal Dana
SOURCEJornal do Carro