Veículos leves convencionais podem poluir menos que os elétricos?

87

Emissões de GasesEmissões de Gases

Emissões de Gases – Pesquisadores do MIT (Massachusetts Institute of Technology) e da Ford Motor Company descobriram que, dependendo da localização, veículos convencionais leves podem ter, em alguns casos, um impacto equivalente ou até melhor, com relação a emissões no ciclo de vida, do que os veículos elétricos, pelo menos no curto prazo. O artigo foi publicado na revista ACS Environmental Science & Technology.

As avaliações das emissões de Gases do efeito estufa de veículos leves devem ter uma perspectiva do ciclo de vida do berço ao túmulo e capturar efeitos regionais importantes.

O estudo relatou a primeira avaliação de ciclo de vida regionalmente explícito (em nível de município) usando veículos leves convencionais e elétricos nos EUA. Diferenças regionais de clima, carga de rede elétrica e padrões de condução compostos produzem heterogeneidade regional significativa nas emissões e nos benefícios da eletrificação. O peso leve acentua ainda mais essas diferenças regionais.

De fato, para os carros de médio porte considerados em nossa análise, os resultados do modelo sugerem que os veículos leves de alumínio com um motor de combustão teriam emissões semelhantes aos veículos elétricos híbridos (HEVs) em cerca de 25% dos municípios dos EUA e mais baixas do que veículos elétricos a bateria, em 20% dos municípios.

O estudo analisou uma variedade de fatores que podem afetar o desempenho relativo desses veículos, incluindo o papel das baixas temperaturas na redução do desempenho da bateria; diferenças regionais no número médio de milhas percorridas anualmente; e a mistura diferente de fontes geradoras de eletricidade em diferentes partes dos EUA.

O estudo combinou uma variedade de conjuntos de dados para examinar o impacto relativo de diferentes opções de veículos até um nível de município a município, em todo o país. Ele mostrou que, embora os veículos elétricos ofereçam o maior impacto na redução das emissões de gases de efeito estufa na maior parte do país, especialmente nas costas e no sul, partes significativas do Centro-Oeste tiveram o resultado oposto, com veículos leves a gasolina alcançando uma maior redução.

O principal fator que levou a essa conclusão foi a mistura de fontes geradoras que entram na rede em diferentes regiões, disse o principal pesquisador do MIT, Randolph Kirchain. Essa mistura é mais limpa nas costas leste e oeste, com maior uso de fontes de energia renováveis ​​e gás natural de emissões relativamente baixas, enquanto no alto Centro-Oeste ainda há uma proporção muito maior de usinas de queima de carvão.

Isso significa que, embora os veículos elétricos não produzam emissões de efeito estufa enquanto estão sendo dirigidos, o processo de recarregar as baterias do carro resulta em emissões significativas.

Nesses locais, comprar um carro leve, definido como aquele cuja estrutura é construída em grande parte de alumínio ou aço leve especializado, resultaria em menos emissões do que comprar um carro elétrico comparável, segundo o estudo.

A pesquisa foi possível graças à coleta de dados de desempenho de veículos da Ford de cerca de 30.000 carros, num total de cerca de 300 milhões de quilômetros de condução. Eles vêm de carros a gasolina convencionais de médio porte convencionais, e os pesquisadores usaram técnicas de modelagem padrão para calcular o desempenho de veículos equivalentes que eram versões híbridas-elétricas, elétricas a baterias, ou de carros leves convencionais.

Kirchain disse que a equipe tentou adicionar o máximo de resolução espacial possível, em comparação com outros estudos na literatura, para tentar ter uma noção dos efeitos combinados dos vários fatores de temperatura e condições de direção.

Essa combinação de dados mostrou, entre outras coisas, que algumas das áreas com mais emissões de carbono também são mais frias e um pouco mais rurais, disse ele. Todos esses três atributos podem inclinar as emissões de maneira negativa para veículos elétricos em termos de impacto na redução de emissões, acrescentou.

Os efeitos combinados são mais fortes em partes de Wisconsin e Michigan, onde carros convencionais leves teriam uma vantagem significativa sobre os veículos elétricos na redução de emissões, mostrou o estudo.

O impacto do clima frio no desempenho da bateria é discutido na literatura sobre veículos elétricos, mas não tanto nas discussões populares sobre o tópico, observou Kirchain. Por outro lado, os veículos movidos a gasolina sofrem uma penalidade de eficiência na condução urbana, mas têm emissões mais baixas em regiões mais rurais e espalhadas.

Os dados sobre o desempenho do carro com os quais a equipe teve que trabalhar, graças à sua colaboração com os pesquisadores da Ford, foram únicos, disse Kirchain, acrescentando que estudos ‘grandes’ desse tipo no passado seriam de algumas dezenas de veículos, com dados provenientes principalmente de pessoas que se ofereciam para compartilhar seus dados e, portanto, eram mais propensos a se preocupar com o impacto ambiental.

Por outro lado, os extensos dados da Ford forneceram “uma seção mais ampla de condutores e condições de direção”.

Kirchain enfatizou que o objetivo deste estudo não é de forma alguma minimizar a importância da mudança do transporte terrestre para a energia elétrica, a fim de reduzir as emissões de efeito estufa.

“Não estamos tentando minar o fato de que a eletrificação é a solução a longo prazo – e de curto prazo para a maior parte do país. No entanto, nas próximas décadas, considerado um período crítico na determinação dos resultados climáticos do planeta, é importante saber quais medidas serão realmente mais eficazes na redução das emissões de carbono, a fim de definir políticas e incentivos que produzam os melhores resultados”, disse ele.

A vantagem relativa de veículos convencionais leves em comparação com veículos elétricos, de acordo com a modelagem, diminui com o tempo, à medida que a grade melhora, mas não desaparece completamente até perto de 2050.

O alumínio leve agora é usado na caminhonete Ford F-150 e nos sedãs Tesla totalmente elétricos. Atualmente, não há um grande volume de carros de médio porte leves a gasolina no mercado nos EUA, mas eles poderiam ser construídos se existissem incentivos semelhantes aos usados ​​para incentivar a produção de carros elétricos, sugeriu Kirchain.

“Este é um avanço significativo. Este estudo ilustra a importância da desagregação regional na análise e que, se estivessem ausentes, os resultados seriam incorretos. Trata-se de um apelo inequívoco a políticas regionais que usam as pesquisas mais recentes para criar agendas racionais, em vez de prescrever soluções globais abrangentes”, concluiu.