IMO 2020 já está causando impacto nos lubrificantes

438

imo 2020As regulamentações de 2020 da Organização Marítima Internacional (IMO 2020) não afetarão apenas os setores de combustíveis e transporte marítimo, mas também está previsto um impacto no refino de óleos básicos lubrificantes. De fato, os primeiros prognósticos sobre seus efeitos já começam a tomar forma.

IMO 2020 com novo limite de enxofre 

Analistas do mercado estão prevendo que o novo limite de teor de enxofre de 0,5% comparado aos atuais 3,5%, forçará mudanças de grande escala nos combustíveis que os operadores de navios escolhem para alimentar seus motores. Em alguns casos, dizem eles, as refinarias que têm capacidade de refino para fabricar o gasóleo marítimo (MGO) compatível com a IMO 2020 podem optar por fornecer mais insumos para o MGO em detrimento da produção de óleos básicos leves, pois isso pode oferecer melhores lucros. Os regulamentos entram em vigor em 1º de janeiro do ano que vem.

Esperava-se que o preço do MGO subisse nos próximos meses, enquanto as margens para a produção de óleo básico foram espremidas por algum tempo. De fato, o IHS Markit prevê que o novo combustível com baixo teor de enxofre custará entre US$ 500 e US$ 650 por tonelada métrica até 2020.

Expectativa de salto na demanda

Além disso, prevê-se que a procura global de MGO aumente exponencialmente nos próximos anos, enquanto o consumo de óleos básicos se manteve relativamente estável. Na verdade, segundo informações da S & P Platts, os componentes de baixo teor de enxofre já estão sendo armazenados em armazéns flutuante, em Cingapura e Malásia. E há especulações de que esse tipo de armazenamento pode ser usado na preparação para um salto na demanda de óleo combustível com baixo teor de enxofre demanda no final do ano.

A diferença de preço entre petróleo doce leve e crus ácidos pesados, esperada pelos especialistas para crescer em US$ 5 a US$ 6 o barril até 2020, também terá um impacto, de acordo com uma apresentação feita por Steve Ames da SBA Consulting nos Óleos Base Mundial da ICIS. & Lubricants Conference, em Londres, em fevereiro.

Os refinadores que mudam para o petróleo doce podem ver menos rendimento em sua produção de óleo básico, e até mesmo mudanças na qualidade de seu produto. Enquanto isso, a demanda por petróleo ácido pesado cairá.

Mas nem todo produtor de óleo de base pode fazer tal mudança para a fabricação do MGO. Subprodutos residuais com alto teor de enxofre da produção de óleo básico, que antes eram usados ​​para produzir combustíveis navais por refinadores, devem agora ser usados ​​em outros produtos, algo com o qual os produtores do Grupo I poderiam competir.

Essas refinarias podem ter metade ou mais de sua produção final de produtos de alto teor de enxofre, de acordo com Ames, e sem uma maneira de converter esses produtos em receita, os operadores podem ser forçados a fechar suas fábricas e produzir destilados, em vez de óleos básicos.

Aumento no custo do transporte

A logística de transporte também pode ser um problema para os refinadores. Custos para enviar por navio, ferroviário ou caminhão serão repassados ​​aos clientes, disse Ames. Estima-se que as taxas de frete marítimo aumentem de 25 a 40% em 2020, e as taxas de frete terrestre poderão aumentar de 3% a 6%.

Alguns estimam que 1,4 milhão de barris por dia de capacidade de refino podem fechar, disse Ames.

Ainda assim, nem todas as empresas serão afetadas pelos novos regulamentos. “A grande maioria das instalações de lubrificantes dos EUA já existem, então não vejo nenhuma nova planta de Grupo II sendo construída”, disse Terry Hoffman, consultor do setor, ao Lube Report. “A nova especificação marítima para o diesel é de 500 ppm de enxofre. Isso é muito mais fácil de fazer do que 15 ppm no diesel rodoviário. Portanto, acredito que as refinarias da Costa do Golfo poderão se ajustar para produzir a maior quantidade possível de combustível”.

A Hoffman não espera grandes mudanças para as refinarias na Europa, mas notou que já houve alguma atividade na Ásia em relação aos regulamentos pendentes, dizendo que as refinarias na China e em Cingapura estão adicionando capacidade de produção de básicos de Grupo II e/ou acrescentando hidroprocessamento. para produzir combustíveis com baixo teor de enxofre.