Pesquisadores criam óleos básicos de plantas não alimentícias

135

 óleos básicos

Pesquisadores de um laboratório da Universidade de Delaware disseram que descobriram uma maneira de produzir óleos básicos lubrificantes a partir de biomassa não alimentar e ácidos graxos. A equipe, a maioria dos quais é afiliada ao Centro de Catálise para Inovação em Energia, também alegou que o novo produto poderia minimizar o uso de aditivos devido a suas propriedades customizáveis.

Óleos básicos de plantas não alimentícias

Em um artigo publicado no dia 1º de fevereiro na revista científica Science Advances, a equipe de nove pessoas detalhou sua “estratégia” para fabricar óleos básicos sintetizando ácidos graxos e fluidos derivados de materiais como madeira, gramíneas nativas e outros resíduos orgânicos.

Eles compararam o produto à polialfaolefina e disseram que, ao variar o material catalisador que eles usam, eles são capazes de ajustar as propriedades de desempenho do fluido de maneiras que reduzem a necessidade de aditivos químicos.

A demanda por óleos básicos baseados em plantas está crescendo na indústria de lubrificantes, mas até hoje as matérias-primas vêm principalmente de culturas como a colza, a soja e a palma. Fornecedores afirmam que esses óleos são renováveis ​​e mais amigáveis ​​ao meio ambiente do que os lubrificantes à base de petróleo, mas alguns críticos reclamam que o uso deles desvia recursos da produção de alimentos, elevando os preços dos alimentos.

Desafios para a indústria do petróleo

Um membro da indústria disse que os esforços para fazer óleos básicos de fontes de plantas não alimentícias estão em andamento, mas que a tarefa é árdua. Tyler Housel, chefe da divisão Lexolube da Zschimmer e Schwarz, disse que a biomassa, como o petróleo, é uma matéria-prima barata. A questão é quanto trabalho químico e físico deve ser feito para refinar a matéria-prima em um produto útil.

“A tecnologia de petróleo também tem características de desempenho bem conhecidas, bem como uma indústria aditiva que dedicou anos para encontrar maneiras de melhorar ainda mais o desempenho”, explicou Housel. “Outra vantagem é que o maquinário foi construído de acordo com as especificações dos lubrificantes existentes.”

Por outro lado, continuou ele, construir uma fábrica para produzir novos tipos de produtos em escala comercial poderia custar centenas de milhões de dólares. “Isso é difícil de justificar sem uma clara vantagem de mercado e compromisso de mudar uma indústria – um compromisso compartilhado por clientes, fornecedores, fabricantes de equipamentos, reguladores, etc. As únicas empresas com capital a investir nessa escala geralmente já estão investindo pesadamente em tecnologia de petróleo, assim não iriam investir para para tornarem obsoletos seus negócios existentes. Isso não é necessariamente um mau investimento, mas certamente uma proposta arriscada ”.

Patente já foi requerida

Um pedido de patente internacional foi apresentado pelos pesquisadores da CCEI para garantir os direitos de propriedade intelectual de seus métodos.

O Centro da Catalálise e Inovação de Energia  é um centro de pesquisa liderado pela Universidade de Delaware e composto por 10 instituições acadêmicas e dois laboratórios nacionais de pesquisa. Pesquisadores do centro trabalham para desenvolver tecnologias catalíticas para converter biomassa em produtos químicos, combustíveis e materiais avançados.

O artigo de pesquisa pode ser visto online no site da Science Advances.