Novas tecnologias ameaçam fornecedores de lubrificantes

1264

Novas tecnologias levarão os comerciantes de lubrificantes a enfrentar uma ruptura nas formas como fazem negócios, nos próximos anos, devido à crescente popularidade dos veículos elétricos, à adoção de novos materiais de fabricação e à ascensão de novos negócios que alavancam a tecnologia da informação e aumentam a necessidade de experiência específica dos comerciantes.

Lutz Lindemann, Diretor de Tecnologia da Fuchs Petrolub SE, afirmou, no último evento Uniti Mineralol Technology Forum, na Alemanha, em abril, que a demanda global de lubrificantes vai cair nos próximos 10 a 15 anos por causa de novas tecnologias como os veículos elétricos, a adoção de novos materiais e mais eficiência na operação de equipamentos e no uso de lubrificantes.

Motores de combustão interna estão aqui para ficar, acrescentou, mas as empresas de lubrificantes precisam antecipar mudanças. “Precisamos prestar atenção às novas tecnologias que estão chegando”, disse ele. “No entanto, essas tecnologias não podem matar os lubrificantes (acabar com a demanda), e temos que adotar as novas realidades.”

novas tecnologias
Carro elétrico sendo recarregado em rua próxima à Av. Champs-Elysses, em Paris.

A Fuchs descobriu que a mobilidade eletrônica (uso de veículos elétricos e híbridos plug-in) e a digitalização poderia reduzir a demanda de lubrificantes na Europa em 8 a 10 por cento e, nos Estados Unidos, em 20% na próxima década. Além disso, projeta um aumento da demanda de lubrificantes na China de 15 a 20 por cento, como resultado do aumento das vendas de carros.

Novas tecnologias poderão afetar a demanda de lubrificantes

A demanda global de lubrificantes, que era de 35,7 milhões de toneladas em 2016, poderia diminuir em 450 mil toneladas para 800 mil toneladas até 2027, de acordo com Lindemann.

Na Europa, as vendas de veículos elétricos atingiram 206 mil unidades em 2016, representando 1,4% do mercado, e representando um aumento de 10% no número de unidades com relação a 2015. Na China, as vendas de veículos elétricos subiram 53% no ano passado, para 507 mil unidades, e agora representa 1,8% desse mercado. Nos EUA, as vendas de veículos elétricos subiram 38% para 157.000, mas ainda representam apenas 0,9% de participação de mercado. A Fuchs atribuiu os dados à Clean Technica, a Associação dos Fabricantes de Automóveis da Europa e Inside EV.

O desafio dos elétricos

Lindemann disse que o avanço técnico da tecnologia de veículos elétricos depende de vários fatores. “Para ter sucesso, a indústria de carros elétricos precisa cumprir três tarefas principais: preços de carros competitivos; aumento da autonomia e infraestrutura de recarga acessível. Estimamos que se a capacidade da bateria pode ser aumentada em 250 por cento, a autonomia será de 500 km para carros compactos e, ao mesmo tempo, o custo pode ser reduzido para 100 Euros por quilowatt-hora. E isso poderia ser alcançado até 2020”, observou, citando dados da Daimler AG.

Lindemann acrescentou que os custos dos sistemas elétricos e híbridos do sistema de bateria estão caindo e poderiam se tornar equivalentes aos custos do trem de força convencional até 2025, citando dados da Daimler.

Em 2028, previu a Fuchs, os carros elétricos teriam uma penetração de mercado de 30% na União Europeia, enquanto carros com motores a combustão terão uma quota de mercado de 28% e os híbridos responderão por 40%.

Da mesma forma, os EUA, Canadá e China poderiam ver os carros elétricos superarem os carros de combustão interna em 2027, de acordo com a fabricante de lubrificantes alemão.

Os veículos elétricos têm diferentes necessidades de lubrificação, de modo que a demanda pelo primeiro enchimento do motor na fábrica e também a de óleo de engrenagem encolherão significativamente, e o mesmo será o caso dos fluidos de metalurgia, enquanto a demanda de lubrificantes automotivos para reposição encolherá ligeiramente ano a ano, conforme o estoque de carro de combustão interna vai sendo substituído, de acordo com Fuchs.

Novos materiais e novos padrões de sustentabilidade

“A demanda de graxas para primeiro enchimento também precisa ser avaliada, pois algumas aplicações vão crescer em volume, e novas aplicações podem surgir. Além disso, a tendência para utilização de metais mais leves, conforme o aço vai sendo substituído por mais alumínio e termoplásticos, poderia reduzir a demanda de lubrificantes desmoldantes e preventivos de corrosão”.

A Fuchs acredita que a União Europeia vai exigir que as empresas de lubrificantes, como outras indústrias, adotem práticas de negócios sustentáveis, e a empresa conclamou a indústria de lubrificantes a desenvolver seus próprios padrões de sustentabilidade, ao invés de esperar que as autoridades os ditem.

“Seria muito melhor agora se nós, como a indústria de lubrificantes, chegarmos proativamente a padrões, benchmarks e indicadores-chave de desempenho da nossa própria, enquanto ainda temos algum espaço para fazê-lo”, disse Apu Gosalia, vice-presidente da Fuchs para a Sustentabilidade e Inteligência Global Competitiva, disse em uma entrevista.

A Associação Alemã de Fabricação de Lubrificantes já estabeleceu um grupo de trabalho chamado NaSch, que é a abreviação de Nachhaltigkeit Schmierstoffindustrie, ou Indústria de  Sustentabilidade de Lubrificantes. Seu objetivo é estabelecer padrões de sustentabilidade, identificar indicadores-chave de desempenho e benchmarks para a indústria de lubrificantes e enfatizar o valor da indústria para a sociedade.

Tecnologia da Informação: um impacto considerável

Considerando as novas tecnologias, e depois de veículos elétricos e novos materiais, a Fuchs considera a digitalização o terceiro desenvolvimento disruptivo que os fabricantes de lubrificantes precisam para lidar. Digitalização é um termo que se refere ao amplo uso da tecnologia da informação para tornar as práticas de negócios mais eficazes. Embora isso seja feito por empresas já existentes, a Fuchs alerta que as empresas “start ups” podem fazer isso para direcionar seu caminho para a indústria de lubrificantes.

“Sabemos que pelo menos 15 start-ups que empregam entre cinco e 700 funcionários aplicam todo tipo de estatísticas e métodos de simulação que você possa pensar, para substituir e se aprofundar na relação entre fabricantes de lubrificantes e clientes”, concluiu Lindemann, acrescentando que este tendência já é realmente visível na China.

Essas start-ups atendem aos fabricantes oferecendo a análise de todas ou parte de suas operações. Eles podem aconselhar os fabricantes não apenas sobre o uso de lubrificantes, mas sobre vários aspectos de seus negócios, como matérias-primas ou equipamentos que eles usam em seu processo de fabricação, mas a ameaça potencial para os comerciantes de lubrificantes é que essas empresas também podem determinar os lubrificantes que são necessários e, em seguida, identificar a melhor fonte para atender a esse desempenho, tornando o fornecedor de lubrificante pouco mais do que um fabricante terceirizado.

“Eles oferecem diretamente ao cliente ferramentas sofisticadas como monitoramento de condições sensoriais, estatísticas exploratórias, mineração de dados e grandes dados – todos os quais podem ser usados para modelagem de sistemas em áreas químicas, tribológicas, logísticas e de manufatura”, explicou Gosalia.

 

NOTA DO PORTAL LUBES: O Sr. Apu Gosalia da Fuchs estará presente no 7º Encontro com o Mercado, no Rio de Janeiro, dias 20 e 21 de junho, e falará sobre esse tema instigante.