GM quer mudança em acordo trabalhista

186

Acordo trabalhista

A General Motors – GM condiciona a realização de novos investimentos na fábrica de São Caetano do Sul, no ABC paulista, à mudanças no acordo trabalhista, com redução de direitos, diz o Sindicato dos Metalúrgicos local.

GM quer mudança em acordo trabalhista
GM quer mudança em acordo trabalhista

A unidade, inaugurada há 86 anos, é a mais antiga do grupo no País – há também tem filiais para produção de veículos em São José dos Campos (SP) e Gravataí (RS). Sem aportes para atualização de linhas, a fábrica do ABC corre risco de ficar obsoleta nos próximos quatro anos, diz o vice-presidente do Sindicato, Francisco Nunes.

“A direção da GM ameaça transferir a produção para outras fábricas ou até mesmo abrir uma nova unidade”, diz Nunes. Ele vem se reunindo com dirigentes da montadora há um mês e não houve, até agora, acordo entre as partes. A empresa informa que não comenta negociações em andamento.

Impasse sobre o fim da estabilidad

O sindicalista diz que o principal impasse é em relação ao fim da estabilidade no emprego para trabalhadores lesionados. A empresa propõe aplicar a lei para novos funcionários – que, segundo ele, prevê apenas um ano de garantia de emprego.

Não haveria mudanças para os atuais empregados que já têm doenças comprovadas. Aos que adquirirem lesões daqui para frente, em caso de demissão seriam pagos 33 salários extras.

Nunes calcula que, dos 5,5 mil trabalhadores da linha de produção (de um total de 9 mil funcionários), cerca de 700 a 800 têm doenças profissionais. Boa parte deles está no grupo de 750 trabalhadores que estão em lay-off até 19 de abril. “Se até lá o mercado não melhorar, a intenção da empresa é de demitir esse pessoal, mas os lesionados têm garantia de emprego”.

Outros itens que estão sendo negociados

Entre outros itens que estão sendo negociados estão a substituição do repasse integral da inflação de 2018 e de metade da inflação de 2019 por abonos (que não são incorporados aos salários) e a redução do piso salarial para novas contratações.

A GM produz em São Caetano os modelos Cobalt, Spin, Montana e uma versão do Ônix, carro mais vendido do mercado atualmente e cuja linha completa é feita em Gravataí.

De acordo com Nunes, a empresa informou em reunião realizada ontem que o investimento em estudo “mudaria completamente a planta, com novas linhas de produção e de pintura”.

Hoje, o sindicato realizará assembleias para informar os trabalhadores sobre as negociações e amanhã haverá novo encontro com diretores da GM para tentar chegar a um consenso.

GM: líder de mercado

No ano passado a GM foi a líder do mercado brasileiro, com 345,8 mil automóveis e comerciais vendidos, volume 10% inferior ao de 2015. O mercado total caiu 20% no período.

A GM vai suspender toda a produção da fábrica do ABC por um mês a partir do dia 27. Em São José dos Campos parte dos trabalhadores está em casa desde 0 dia 13 e retorna dia 2. A Volkswagen suspenderá a produção no ABC de amanhã até 5 de março e a Ford do dia 6 ao 26. Em Taubaté, haverá parada de dez dias na unidade de motores da marca. (O Estado de S. Paulo/Cleide Silva)