A importância da demulsibilidade no desempenho dos óleos lubrificantes

0
269
Marcos Thadeu Giacomini Lobo

Marcos Thadeu Lobo

Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional de Suporte Técnico em Produtos. E atualmente exerce a função de Consultor Técnico Sênior.

Demulsibilidade pode ser definida como a habilidade de um óleo lubrificante em liberar a água. Esta propriedade é de extrema importância quando o equipamento estiver operando em climas úmidos ou em plantas industriais com processos que exigem muita utilização de água tais como a indústria de produção de papel e celulose, a indústria da laminação do aço, indústrias alimentícias etc.

aPor possuírem algum grau de higroscopicidade, ou seja, capacidade de absorver água, pareceria natural que a água ficasse retida na massa de alguns tipos de óleo lubrificante aditivado. A água que contamina os óleos lubrificantes pode ser proveniente da atmosfera que penetra nos equipamentos, através dos respiradouros, quando da contração e expansão do volume com a temperatura, oriunda dos jatos de água das mangueiras dos operadores de máquinas etc e deve ser  removida. Porém, em face da demulsibilidade natural dos óleos básicos, e por ser mais densa que a grande maioria dos óleos lubrificantes, a tendência da água é se depositar nos fundos dos reservatórios e cárteres, que se forem grandes o bastante e o fluxo for lento o suficiente, permitirão que a água seja removida por drenagem.

A importância da demulsibilidade no desempenho dos óleos lubrificantes
A importância da demulsibilidade no desempenho dos óleos lubrificantes

Quando a demulsibilidade diminui, os óleos lubrificantes, em geral, passam a ficar turvos ou a formar espuma e pode haver rápido desgaste das peças em movimento. Se o equipamento operar em ambiente seco ou de umidade controlada a demulsibilidade não será propriedade relevante a ser monitorada. Porém, se o ambiente for úmido ou houver probabilidade de contaminação do óleo lubrificante com água (ex. turbinas a vapor) é fundamental que se monitore a demulsibilidade dos óleos lubrificantes.

cA importância da demulsibilidade

Havendo disponibilidade de  tempo, poderá ser enviada amostra de óleo lubrificante ao laboratório de análise de óleos lubrificantes para a realização de ensaios específicos para avaliação da demulsibilidade,  tais como o ASTM D 1401-02 ou DIN ISO 6614:2003.

dRápido e prático teste de campo, do tipo passa/não passa, pode ser realizado aquecendo-se água limpa e  óleo lubrificante novo à temperatura de 38 C ou o mais próximo possível da temperatura de operação do óleo lubrificante no equipamento. Deve-se misturar completamente partes iguais (ex. 0,5 litro) de água e óleo lubrificante novo em um liquidificador e medir-se o tempo que as partes levam para se separar. Deve-se medir, também, o volume da mistura que não se separa (a emulsão é popularmente denominada “punho de camisa”). O procedimento deve ser repetido com o óleo lubrificante a ser analisado (envelhecido).

eSe o tempo de separação entre água e óleo lubrificante e o volume de emulsão, comparando-se  o óleo lubrificante  usado (envelhecido) e o óleo lubrificante novo, for maior que 20% considere a possibilidade de se efetuar análise em laboratório especializado segundo os métodos ASTM D 1401-02 ou DIN ISO 6614:2003. Se o laudo de análise indicar que a demulsibilidade se mostrou diminuída, então será interessante estudar-se como lidar com o problema, particularmente, se o equipamento operar em ambiente úmido.

                    

 

 

      

Outros artigos do Autor

Três dicas básicas para a escolha da graxa correta

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...
Figura 1 - Principais falhas em elementos de máquina

Boa lubrificação de mancais aumenta eficiência de transportadores de minério

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas (Unicamp) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional de Suporte...

Sistema hidráulico necessita de um projeto adequado

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Cavitação: Dor de cabeça aos fabricantes de motores Diesel

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...
Figura 7 – Formação de verniz em óleo lubrificante de diferencial devido à oxidação

Número básico em lubrificantes: Você sabe o que é isso?

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas (Unicamp) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional de Suporte...