Testando líquidos de arrefecimento em motores a combustão

406
Marcos Thadeu Giacomini Lobo

Marcos Thadeu Lobo

Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional de Suporte Técnico em Produtos. E atualmente exerce a função de Consultor Técnico Sênior.

O sistema com líquidos de arrefecimento de um motor de combustão interna Ciclo Diesel/Ciclo Otto 4T é crítico por impactar a eficiência global e vários parâmetros de operação dos demais componentes do equipamento móvel.

liquido-de-arrefecimento-1liquido-de-arrefecimento-2

Figuras 1/2 – O correto funcionamento do sistema de arrefecimento é fundamental para a boa operação de motores de combustão interna Ciclo Diesel/Ciclo Otto

O sistema de arrefecimento não serve, apenas, para refrigerar o motor de combustão interna Ciclo Diesel/Ciclo Otto 4T servindo, também, para arrefecer sistemas de transmissão automática e em sistemas de calefação de interiores de equipamentos móveis durante o inverno.

liquido-de-arrefecimento-3liquido-de-arrefecimento-4

 

Figuras 3/4 – O sistema de arrefecimento é utilizado no arrefecimento de transmissões automáticas e na calefação de interiores de equipamentos móveis

Quando nos referimos aos líquidos para sistemas de arrefecimento (coolants) muitos dos princípios que se aplicam aos óleos lubrificantes são aplicados, também,  a eles. Para que possamos obter o melhor em termos de desempenho dos líquidos para sistemas de arrefecimento eles devem passar por cuidados periódicos e ter as suas propriedades físico-químicas monitoradas. Análises típicas de líquidos para sistemas de arrefecimento (coolants) devem avaliar contaminantes externos, conteúdo de água e metais que poderiam indicar  sinais de desgaste em radiadores, bombas d’água, camisas etc.

Muitos laboratórios que efetuam análise de óleos lubrificantes efetuam, também,  análises de  líquidos para sistemas de arrefecimento ( coolants ). Os testes mais usuais monitoram o pH e os níveis da aditivação. Da mesma forma que para óleos lubrificantes, a intenção de se monitorar propriedades físico-químicas é verificar-se a condição do produto em uso  bem como o estado geral do sistema de arrefecimento.

líquidos de arrefecimentoliquido-de-arrefecimento-6Figuras 5/6 – Ensaios de pH e cloretos

A presença de cloretos em líquidos para sistemas de arrefecimento ( coolants ) podem levar à corrosão das superfícies metálicas. Porém, não é trivial estabelecer-se valores máximos de cloretos para todos os tipos de líquidos para sistemas de arrefecimento ( coolants ) visto que estes níveis  variam conforme o tipo de produto utilizado e a condição de operação do sistema de arrefecimento.

Monitorar-se  a  condição  da  aditivação  dos líquidos para sistemas da arrefecimento ( coolants ) é de suma importância visto que os aditivos incrementam determinadas propriedades destes produtos elevando-se, por exemplo, sua natureza anti-corrosiva. Alguns dos  aditivos  presentes  nos  líquidos para  sistemas  de       arrefecimento ( coolants ) ficam firmemente aderidos às superfícies metálicas existentes, formando um filme protetivo que reduz o ataque corrosivo devido à água ou a compostos ácidos formados. Como qualquer óleo lubrificante, a manutenção do nível de aditivação é determinante em se garantir o desempenho máximo dos líquidos  ( coolants ) e do sistema de arrefecimento como um todo.

liquido-de-arrefecimento-7Figura 7 – O desgaste corrosivo libera microscópicas partículas metálicas que podem causar desgaste abrasivo

Existem muitas variáveis a ser consideradas quando da análise de líquidos para sistemas de arrefecimento (coolants). O estabelecimento de tendências deve ser utilizado conjuntamente com o uso de limites de alerta utilizados nas análises-padrão. As amostras devem ser tomadas rotineiramente, de maneira padronizada e de forma representativa de maneira a se garantir que os resultados das análises apontem tendências e os laudos possam ser úteis na criação de um plano de ação.

 

 

 

Outros artigos do Autor

Líquido de arrefecimento tem função importante no motor

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Formação de verniz em sistemas de lubrificação – PARTE 2

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Testando a demulsibilidade do óleo lubrificante

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Formação de verniz em sistemas de lubrificação – PARTE 1

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Requisitos para lubrificação de compressores de refrigeração

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...