Bateria de carro eletrificado tem reparo e pode ser remanufaturada

Energy Source, empresa de São Paulo, oferece solução para veículos da Renault e pretende obter certificação de outras montadoras

72

Bateria de carro eletrificado

Bateria de carro eletrificado

Bateria de carro eletrificado tem reparo? A pergunta, que parece assombrar quem compra um modelo do tipo, tem resposta positiva. Se o veículo está no período da garantia, a concessionária providenciará o reparo ou a troca em caso de mau funcionamento, decorrente de problemas de fabricação.

Caso contrário, comprar uma nova para substituição pode ser um custo salgado. O preço do produto, dependendo do caso, ultrapassa a casa dos R$ 200 mil. Por isso, uma boa alternativa pode ser a reparação da bateria avariada, no caso de não haver cobertura da garantia.

Ademar Guiotoku, líder da Divisão de Reparo de Baterias da Energy Source, da qual é sócio, incentiva o serviço de reparo e retrofit de baterias elétricas e fechou recentemente um acordo com a Renault do Brasil, para reparos nas baterias de Kangoo, Kwid E-Tech e Zoe. A operação, diz, cobre todos os requisitos exigidos pela montadora, desde as instalações, equipamentos e equipe treinada.

Ainda de acordo com Guiotoku, a Energy Source está preparada para atender veículos elétricos com bateria de íons de lítio e híbridos com baterias de níquel-hidreto metálico, que são os produtos do gênero mais comuns. Atualmente, a empresa está empenhada em obter também a certificação de outras montadoras. Por enquanto, ela tem acordo apenas com a Renault para efetuar reparos em baterias que apresentam problemas durante o período da garantia.

Energy Source oferece solução em economia circular

A Energy Source também é capaz de executar o serviço de reuso das baterias, utilizando para isso os módulos substituídos durante o reparo das baterias (estes não servem mais como bateria motriz dos veículos), e montando power banks com diversas aplicações.

É extraído, assim, o máximo de energia da bateria, antes de seguir para a reciclagem, quando é realizada uma operação de hidrometalurgia para recuperar os metais como lítio, cobalto e manganês, que são suprimentos para a indústria.

Guiotoku explica que ao final da garantia de um carro elétrico, em média depois de oito a dez anos de uso, o valor do veículo poderá sofrer uma forte depreciação devido a grande preocupação com a vida útil da bateria. Nessa situação, a empresa tem um projeto de retrofit, com a remanufatura do produto.

A operação consiste em montar uma bateria com módulos classificados como classe A, que atenda aos parâmetros e especificações pré-determinadas junto a montadoras. São garantidas, dessa forma, a qualidade e a confiabilidade da bateria renovada.

“O mercado de usados já tem uma solução, que é boa para o cliente, para o fabricante do veículo e para o meio ambiente”, assegura o sócio da Energy Source. Guiotoku acredita que outras empresas vão seguir os mesmos passos, agregando valor aos veículos usados.