Chevron tem até dezembro para encerrar operações na Venezuela

146

Chevron CorporationChevron Corporation

O Departamento do Tesouro dos EUA deu à Chevron Corporation e aos prestadores de serviços de campos petrolíferos Halliburton, Schlumberger Limited, Baker Hughes e Weatherford International, até o dia 1º de dezembro de 2020, para encerrar suas operações na Venezuela, aumentando ainda mais a pressão sobre o presidente venezuelano Nicolás Maduro.

A empresa de energia norte-americana Chevron está entre as maiores empresas internacionais de petróleo da Venezuela, onde é parceira da empresa nacional de petróleo Petróleos de Venezuela, S.A. (PDVSA), em vários projetos. Sua produção é aproximadamente equivalente a 6% da produção total da Venezuela.

O Gabinete de Controle de Ativos Estrangeiros do Tesouro ou OFAC emitiu o pedido através da Licença Geral nº 8F, em 21 de abril de 2020, intitulado “Autorizando Transações envolvendo a Petróleos da Venezuela, SA (PdVSA), Necessárias para a Manutenção Limitada de Operações Essenciais na Venezuela ou A Desaceleração das operações na Venezuela para determinadas entidades. ”

As atividades de produção da Chevron na Venezuela estão localizadas no Oeste do país e no Cinturão do Orinoco. Durante 2019, a produção líquida diária média foi de 34.000 barris de petróleo bruto e 7 milhões de pés cúbicos de gás natural, de acordo com o suplemento do relatório anual da empresa.

Petropiar

A Chevron detém uma participação de 30% na Petropiar, que opera o campo pesado de Huyapari sob um contrato que termina em 2033. O projeto está localizado no Cinturão do Orinoco e inclui o processamento e a transformação do petróleo extra pesado em óleo sintético mais leve e de maior valor. A produção de petróleo sintético em 2019 foi impactada pelas condições operacionais, incluindo a paralisação do aprimorador de óleo pesado por parte do ano e pelos períodos em que a planta operou como uma instalação de mistura, em vez de atuar na melhoria para o petróleo bruto sintético.

A produção diária líquida atingiu em média 21.000 barris de líquidos e 6 milhões de pés cúbicos de gás natural durante 2019. Sessenta e nove poços de desenvolvimento foram perfurados em 2019.

Petroboscan

A Chevron detém uma participação de 39,2% na Petroboscan, que opera o Campo Boscan onshore no Oeste da Venezuela, sob um contrato que vence em 2026. Durante 2019, a produção líquida diária média de 13.000 barris de líquidos e 1 milhão de pés cúbicos de gás natural. Foram perfurados 26 poços de desenvolvimento em 2019.

Petroindependiente

A empresa também detém uma participação de 25,2% na Petroindependiente, que opera o campo LL-652 no lago Maracaibo, com contrato com vencimento em 2026, e uma participação de 34% na Petroindependencia, que inclui o projeto de óleo pesado Carabobo 3 localizado em três blocos no Cinturão do Orinoco. O contrato da Petroindependencia expira em 2035.

Loran

A Chevron opera e detém uma participação de 60% no bloco 2 offshore da Venezuela, que faz parte de um campo transfronteiriço que inclui o campo de Manatee em Trinidad e Tobago.

O porta-voz da Chevron, Ray Fohr, disse que a empresa seguirá as leis e regulamentos, mantendo-se comprometida com a “integridade de nossos ativos de joint venture, a segurança e o bem-estar de nossos funcionários e suas famílias”, segundo um relatório da AP.

Pouco depois de Guaidó declarar seus planos para derrubar Maduro no início de janeiro de 2019, a Casa Branca impôs sanções à PDVSA, que visava cortar o governo socialista do dinheiro que ganhou com sua produção de petróleo. No entanto, na época, os EUA permitiram à Chevron continuar suas operações na Venezuela.

O Departamento do Tesouro teve que renovar a licença da Chevron para operar na Venezuela a cada poucos meses. Agora, a Chevron tem permissão para manter sua presença em suas instalações apenas até 1º de dezembro e realizar manutenção essencial.

De acordo com a edição de 2019 da BP Statistical Review of World Energy, o total de reservas provadas é de 303,3 bilhões de barris para a Venezuela, colocando a Arábia Saudita em segundo lugar, apenas com 297,7 bilhões de barris. No entanto, a revolta política no país levou a uma crise econômica contínua que resultou na falta de serviços básicos, resultando em cerca de 4,6 milhões de pessoas fugindo do país rico em petróleo entre 2016 e novembro de 2019, de acordo com o Alto  Comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).