Coronavírus faz produtores de óleos básicos buscarem mercados alternativos

168

CoronavírusCoronavírus

Enquanto o surto de Corona vírus continua a abalar os mercados, os produtores de óleos básicos na Ásia estão reduzindo a produção e procurando mercados alternativos, em meio à queda na demanda de lubrificantes e graxas na China, dizem especialistas do setor.

Segundo a analista sênior da agência de reportagem ICIS para o setor, Whitney Shi, o vírus é grave na China e afeta o segmento de lubrificantes. “Muitas refinarias de óleos básicos reduziram as taxas operacionais para evitar a pressão do estoque, pois a demanda das empresas de lubrificantes não foi retomada e o transporte nas rodovias ainda é restrito”, disse Shi.

Com a China efetivamente fechada para os negócios, a cadeia de suprimentos altamente sincronizada da Ásia está sendo testada até o ponto critico, dizem os analistas. Eles acrescentam que isso provavelmente afetará bastante a demanda de óleo no primeiro trimestre, mas persistem os temores de que o surto possa se espalhar para o segundo trimestre, à medida que a incerteza diminui a demanda do consumidor. Matthew Chong, editor sênior do ICIS, disse que algumas refinarias já estão procurando redistribuir a produção existente.

Chong acrescentou que as refinarias sul-coreanas começaram a cortar a produção no final do ano passado e têm disponibilidade limitada no local. Mas os problemas da Coréia do Sul são agravados por um surto do vírus que gerou o maior número de infecções confirmadas depois da China. De acordo com a consultoria de pesquisa Capital Economics, sediada em Londres, os principais fabricantes de automóveis – incluindo a Hyundai e a Kia da Coréia do Sul – foram forçados a interromper temporariamente a produção de alguns modelos devido à escassez de peças da China. Isso atingiu as exportações sul-coreanas, que caíram acentuadamente em janeiro, e desgastaram a fraca demanda doméstica.

Enquanto isso, a refinaria recentemente expandida da ExxonMobil em Cingapura – que produz óleos básicos do Grupo II principalmente para o mercado da Ásia-Pacífico – não sofreu nenhuma interrupção, acrescenta Chong. Com a continuidade do surto, os já frágeis preços do óleo básico devem sofrer uma pressão renovada, à medida que os mercados de commodities enfrentam a crise.

A China emergiu como um campo de batalha essencial para as refinarias da Coréia do Sul e Cingapura, na medida em que resistem à entrada dos novos básicos do Grupo II e III de fábricas no Oriente Médio. As refinarias de óleo básico do Bahrein, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos têm sido particularmente agressivas na tentativa de ganhar participação na China, o maior mercado mundial de lubrificantes. Apesar das sanções, o Irã é um fornecedor de longa data de óleos básicos do Grupo I para a China, mas relatos recentes de um surto de Coronavírus no Irã, juntamente com uma infraestrutura de assistência médica enfraquecida, podem levar as autoridades a fechar as principais cidades.

A consultoria Wood Mackenzie estima que o Coronavírus irá cortar 250.000 barris por dia das importações de petróleo da China no primeiro trimestre. Eles acreditam que a fraca demanda de derivados também terá um grande impacto na indústria de poliolefinas, com expectativas de que o Coronavírus seja mais grave do que o surto de 2003 da Síndrome Respiratória Aguda Severa, conhecida como SARS. A crescente incerteza do mercado também pode travar os planos de expansão de plantas de óleos básicos ou de lubrificantes, levando a gargalos no fornecimento quando uma recuperação estiver em andamento.

Fontes dizem que os embarques ficaram paralisados ​​nas últimas três semanas no porto de Xangai, um dos mais movimentados do país, com autoridades portuárias sugerindo que a situação continuará por pelo menos mais duas semanas. Shailendra Gokhale, sócio-gerente da Rosefield DAA International Consultancy em Mumbai, disse que, embora alguns sinais modestos de atividade tenham ocorrido, a recuperação total permanece um pouco distante. “As fábricas chinesas começaram a trabalhar agora, mas a produção é muito menor – então isso deve impactar o movimento interno e externo de óleos básicos e aditivos no futuro próximo”.

Os mercados financeiros globais sofreram fortes quedas, à medida que os temores aumentam com a disseminação do vírus. Com a demanda global de lubrificantes já se estabilizando, o surto chega em um momento pouco favorável para os mercados de óleo básicos. Em meio a relatos do surto se espalhando pela Europa, as chances de o Coronavírus ser um evento localizado ficaram muito menores. As refinarias de petróleo na Ásia estão reduzindo a produção e procurando mercados alternativos em meio à queda na demanda de lubrificantes e graxas na China, dizem especialistas do setor, enquanto o surto de Corona vírus continua a abalar os mercados.