Venda acumulada de janeiro a agosto é a melhor desde 2014

Período teve 1,79 milhão de veículos emplacados e clareou o horizonte para o último trimestre

43
Moraes recorda que o 2º semestre em regra é melhor que o 1º e prevê boa oferta de crédito (foto: Mário Curcio)

Venda acumulada

As vendas do mês de agosto somaram 243 mil veículos, registrando pequena queda de 0,3% ante julho por causa do menor número de dias úteis (22, ante os 23 do mês retrasado). No acumulado do ano, no entanto, as montadoras comemoram o melhor janeiro-agosto desde 2014, com 1,79 milhão de unidades licenciadas e alta de 9,9%. Os números foram divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).


– Faça aqui o download dos dados da Anfavea


 

“Agosto teve a terceira melhor média diária de emplacamentos (11 mil) deste ano, abaixo apenas de junho (11,7 mil) e maio (11,1 mil). Os veículos comerciais começam a mostrar também uma retomada mais robusta e esse movimento deve se manter até o fim do ano”, afirma o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes.

 

A venda de automóveis e comerciais leves somou no período 1,7 milhão de unidades e cresceu 8,8% sobre os mesmos oito meses do ano passado. Entre os pesados, o maior crescimento em vendas ocorreu para os ônibus, 49,8%, com 13,5 mil unidades. E os caminhões sustentam alta acima de 40% no acumulado do ano, com 65,1 mil unidades lacradas.

Moraes recorda que as médias diárias de licenciamentos de caminhões (429 unidades) e ônibus (92) foram as melhores desde dezembro de 2014. Sobre as vendas de caminhões, o executivo afirma que os fabricantes ainda aguardam um movimento mais consistente de retomada para modelos destinados à construção civil e também para entregas no varejo (semileves a médios, com Peso Bruto Total, PBT, de 3,5 a 15 toneladas).

Ainda segundo o presidente da Anfavea, a crença em bons números totais para o último trimestre decorre do “apetite dos bancos pela oferta de crédito”, mas a associação prefere manter a projeção de 2,86 milhões de veículos licenciados até o fim do ano, com alta de 11,4% sobre 2018.