Mercedes-Benz vai nacionalizar câmbio automatizado do novo Actros

Segunda geração do caminhão produzido no Brasil nasce com nível maior de nacionalização

123
Novo Actros no campo de provas da Mercedes em Iracemápolis: desenvolvimento no Brasil aumentou nível de nacionalização

Câmbio automatizado do Actros

Mesmo com seu volume superior de tecnologia embarcada, a nova geração do Actros a ser produzida no Brasil a partir do início de 2020 nascerá com 95 fornecedores locais e nível de nacionalização em torno de 60%, porcentual bem maior do que o do antecessor quando começou a ser montado em Juiz de Fora (MG) em 2012, que só três anos depois chegou ao índice atual. Esse processo é mais rápido no novo caminhão extrapesado e o número de itens nacionalizados continua a subir. Entre os mais importantes, na semana passada, durante a apresentação do veículo, a Mercedes-Benz confirmou que vai produzir aqui o câmbio automatizado do Actros.

Segundo a Mercedes, a Eaton será o principal fornecedor local de componentes para a caixa, que deverá ser montada na fábrica de São Bernardo do Campo (SP) a partir também do início de 2020. A transmissão automatizada G291 de 12 velocidades, usada pelo Actros, atualmente é importada de Detroit, nos Estados Unidos. Além do uso nos caminhões pesados da marca fabricados no País, a Mercedes pretende exportar para outras unidades do grupo o câmbio produzido no Brasil.

A fabricante informou também que único novo fornecedor local do Actros brasileiro é a Batz, que fornece ao caminhão para-choque, grade frontal, entrada lateral, defletores de ar e módulo lateral.

O novo Actros brasileiro deve começar a ser entregue aos clientes só a partir de abril de 2020, mas há cerca de dois anos passa por intenso desenvolvimento no Brasil, tem muitas diferenças em relação ao modelo que começou a ser vendido na Europa em julho passado. Suspensão, freios, motorização e cabine foram desenvolvidos com especificações próprias para as condições brasileiras, por isso o número de fornecedores locais é maior desde o início da produção no País.

Para Roberto Leoncini, vice-presidente de vendas e marketing da Mercedes-Benz, o desenvolvimento do novo Actros no Brasil e o maior número de fornecedores locais são fatores que devem contribuir de maneira decisiva para o sucesso do caminhão no mercado brasileiro. “Não vamos mais fazer a besteira que fizemos no passado, quando começamos a importar o Actros (em 2011) e depois demoramos muito para nacionalizar o veículo [quando começou a ser fabricado em 2012]. É essencial desenvolver o caminhão aqui, para as condições brasileiras”, avalia o executivo.

A geração anterior do Actros começou em 2012 a ser montada com partes importadas (CKD) em Juiz de Fora, logo após a planta ter sido convertida para a produção de caminhões (de 1999 a 2010 a unidade produzia carros). No início, cabine e motores eram importados da Alemanha. O caminhão foi ganhando partes nacionais em etapas, até atingir 60% de nacionalização em 2015, para poder ser financiado com taxas subsidiadas pela linha Finame, do BNDES. Segundo a Mercedes, este Actros deverá seguir em produção na fábrica do sul de Minas Gerais pelo menos até o fim de 2020, convivendo em paralelo com o novo.

Como já estava planejado, a montagem final da nova geração do Actros será feita em São Bernardo do Campo (SP), na linha de manufatura 4.0 inaugurada no ano passado . Quando deixar de montar o atual Actros, a fábrica de Juiz de Fora ficará exclusivamente com as operações de soldagem e pintura das cabines, que de lá são enviadas ao ABC paulista.