Empresas de embalagens ajudam a combater os óleos falsificados na China

551

Como em muitas outras indústrias, a adulteração também se tornou um grande problema no mercado de lubrificantes, com a presença dos óleos falsificados.

As marcas renomadas, é claro, são direcionadas com maior freqüência. Um caso recente envolveu a marca Great Wall T300 da Sinopec, um óleo para uso marítimo. No final de agosto, a polícia do município de Xiangshan, província de Zhejiang, confiscou 141 barris supostamente de óleos falsificados do T300 fornecido por uma empresa que afirmou estar misturando em nome da Great Wall.

Polícia chinesa na caça aos óleos falsificados

Em fevereiro, a polícia de Guangzhou, na província de Guangdong, pegou sete fabricantes clandestinos acusados de produzir óleos falsificados da Shell para motores. No ano passado, os óleos falsificados da Shell foram vendidos na plataforma líder de negócios para consumidor da China, a JD.com.

“Os óleos falsificados realmente representam um grande desafio para muitos dos nossos clientes, que procuram ativamente soluções melhores para lutar contra a falsificação”, disse Chen Tao, gerente geral da Mido Intelligent Packaging, empresa de enchimento e embalagem de produtos líquidos da Kunshan, situada na província da província de Jiangsu. Os clientes da Mido incluem a Total, PetroChina e Sinopec.

óleos falsificadosAs embalagens, a primeira impressão de um produto, são a linha de frente da guerra anti-falsificação. A Mido acredita que os smartphones podem ser uma arma eficaz para os comerciantes e clientes, oferecendo aos últimos uma maneira de verificar a legitimidade de um produto.

Adesivos ou códigos de barras

“Os adesivos ou códigos de barras anti-falsificação podem ser impressos ou colados na embalagem usando raio laser ou máquina de rotulagem. Com o telefone, os consumidores podem apenas digitalizar os rótulos ou códigos de barras para saber se os óleos são autênticos”, disse Chen ao Lube Report Asia, em uma entrevista exclusiva em um fórum de lubrificantes recente realizado pela empresa de consultoria Muchenyou em Xi’an, província de Shaanxi.

Enquanto a própria Mido desenvolve sistemas modernos e automatizados, Chen disse que, em geral, há uma grande diferença entre as empresas chinesas de embalagens e suas contrapartes ocidentais.

“No Ocidente, todo o processo de enchimento e empacotamento é altamente eficiente e confiável com linhas automatizadas, e também vimos novos produtos” all-in-one “chegando armados com tecnologias avançadas”, disse Chen.

Integração da inteligência artificial no campo das embalagens

Na China, ele acrescentou, muitas pequenas empresas estão competindo no preço, porque não possuem tecnologias para oferecer qualidade, e estão relutantes em investir em pesquisa e desenvolvimento.

Como seus clientes continuam a exigir precisão, eficiência e confiabilidade, a Mido está construindo um armazém com amplos controles robotizados e computadorizados, que automaticamente armazena itens em três dimensões.

“Eu acho que a integração da inteligência artificial será a próxima grande coisa no campo global de embalagens. É previsível que um dia possamos gerenciar e controlar todas as linhas de produção através de um aplicativo para celular “, finalizou Che