Troca regular do óleo e filtro em motores 4T

Como uma tarefa simples pode impactar a produtividade dos equipamentos móveis, redução de paradas não programadas e, principalmente, a manutenção de empregos.

439

Troca do óleo

A principal razão para substituir regularmente o óleo lubrificante e o filtro de óleo lubrificante em motores de combustão interna (Ciclo Diesel/Ciclo Otto) 4T é o prolongamento de sua vida útil.

Troca do óleo
Figuras 1 e 2 – Trocas da carga e do filtro de óleo lubrificante.

Fontes dos contaminantes

Os contaminantes do óleo lubrificante utilizado em motores de combustão interna (Ciclo Diesel/Ciclo Otto) 4T podem provir de uma série de fontes. Nesses motores, o óleo lubrificante é contaminado, primariamente, pelos gases da combustão (blow-by) que passam através dos anéis de segmento, êmbolos e camisas ou entre as hastes e guias de válvula. Diminutas partículas de material particulado sólido, que não são retidas pelo filtro de ar, também contribuem para a contaminação do óleo lubrificante do cárter. À medida que as folgas entre anéis de segmento e canaletas dos pistões, anéis de segmento e camisas ou entre hastes e guias de válvulas (admissão e escapamento) aumentam, mais gases da combustão (blow-by) passarão por essas folgas durante o ciclo de compressão e trabalho, e mais rapidamente aumentará a contaminação.

Troca do óleo
Figuras 3 e 4 – Folgas permitem passagem dos gases do blow-by e contaminação do óleo lubrificante.

Evolução da tecnologia

Nos últimos anos, a evolução da tecnologia do refino do petróleo tem permitido uma redução na emissão de material particulado sólido por meio da melhoria das propriedades físico-químicas dos combustíveis fósseis utilizados em motores de combustão interna (Ciclo Diesel/Ciclo Otto) 4T e, com este avanço, a contaminação do óleo lubrificante diminuiu consideravelmente. Por outro lado, a melhoria da tecnologia de aditivação elevou a habilidade de os óleos lubrificantes de motores de combustão interna (Ciclo Diesel/Ciclo Otto) 4T manterem a adequada lubrificação mesmo quando contaminado pelos gases do blow-by. À medida que evolui a tecnologia construtiva dos motores de combustão interna (Ciclo Diesel/Ciclo Otto) 4T, dos combustíveis e dos óleos lubrificantes, os intervalos de serviço também aumentam. Como resultado desse processo, serão necessárias, durante a vida útil do motor de combustão interna (Ciclo Diesel/Ciclo Otto) 4T, apenas umas poucas substituições da carga de óleo lubrificante. Até que essa situação venha a ocorrer, a substituição periódica da carga de óleo lubrificante, dos filtros de ar, de combustível e de óleo lubrificante ajudará a prolongar a vida útil dos motores de combustão interna (Ciclo Diesel/Ciclo Otto) 4T. Efetuar a troca da carga e do filtro de óleo lubrificante não é tarefa das mais difíceis. Realizar a operação em sequência adequada e com as ferramentas apropriadas não apenas tornarão a tarefa mais fácil e rápida, como também reduzirão a probabilidade de ocorrer alguma confusão e, pior, a ocorrência de custosos erros.

Troca rápida e eficiente

Para que o procedimento da troca de carga e filtro de óleo lubrificante seja realizado rápida e eficientemente, alguns itens e técnicas se fazem necessários:

  • luvas descartáveis e papel-toalha que não desprenda fibras;
  • cinta saca-filtro de óleo lubrificante ou saca-filtro de 3 garras;
  • chave adequada (sextavada ou soquete) para remoção do bujão de dreno do cárter;
  • recipiente impermeável para coleta do óleo lubrificante.
Troca do óleo
Figuras 5 e 6 – Ferramental para troca da carga e do filtro de óleo lubrificante

Opções para se efetuar a troca

Existem duas opções para se efetuar a troca da carga de óleo lubrificante, devendo-se, em ambos os casos, estacionar o veículo em local nivelado visto que os cárteres são projetados com inclinação em direção ao bujão de dreno:

1ª Opção

Colocar-se em operação o motor de combustão interna (Ciclo Diesel/Ciclo Otto) 4T até que se normalize a sua temperatura de operação, podendo isto ser efetuado operando-o em marcha lenta com o equipamento móvel estacionário, ou movimentando-se o equipamentos móvel até que se verifique, no painel de instrumentos, que a temperatura do sistema de arrefecimento se estabilizou, indicando assim que a temperatura de operação foi atingida. Com o motor de combustão interna (Ciclo Diesel/Ciclo Otto) 4T e o óleo lubrificante aquecidos, deve-se efetuar a drenagem da carga de óleo lubrificante e trocar o filtro de óleo lubrificante. A lógica por trás desse proceder é que os contaminantes danosos que se encontram em suspensão no óleo lubrificante serão drenados com ele. O óleo lubrificante aquecido tem a sua viscosidade reduzida e, consequentemente, fluirá mais rapidamente, sendo mais rápida a operação. Porém, há maior risco de acidentes (queimaduras), derrames, e parte da carga de óleo lubrificante ficará retida nas partes móveis do motor de combustão interna (Ciclo Diesel/Ciclo Otto) 4T, não sendo a drenagem, desta forma, a ideal.

Figuras 7 e 8 - O óleo e o filtro podem ser trocados aquecidos ou à temperatura ambiente
Figuras 7 e 8 – O óleo e o filtro podem ser trocados aquecidos ou à temperatura ambiente

2ª Opção

Após algumas horas de inatividade do equipamento móvel e à temperatura ambiente, a quase totalidade da carga de óleo lubrificante encontra-se depositada no fundo do cárter, e a drenagem será bastante completa. Dessa forma, não haverá necessidade de movimentar o equipamento móvel ou aquecer o motor de combustão interna (Ciclo Diesel/Ciclo Otto) 4T por algum tempo para se atingir a temperatura de operação. A viscosidade do óleo lubrificante à temperatura ambiente será mais elevada, a vazão será menor, o risco de derrame menor e não haverá risco de acidentes (queimaduras) quando da abertura do bujão de drenagem do cárter. Com o óleo lubrificante à temperatura ambiente, a pressão interna entre o elemento filtrante e a carcaça é aliviada, e a sua substituição se torna mais rápida, mais limpa e segura.

Faça log-in ou cadastre-se para continuar lendo este artigo:

capa-ed-57