Ponto de fluidez de lubrificantes com PPDs

73

abaixadores do ponto de fluidezAditivos abaixadores do ponto de fluidez

Os aditivos abaixadores do ponto de fluidez (Pour-Point Depressants – PPDs) são necessários para uma grande variedade de aplicações lubrificantes e ajudam a melhorar suas propriedades em temperaturas mais baixas. A estabilidade a menores temperaturas permite que o lubrificante seja comercializado nos mais diversos climas.
Equipamentos utilizados em ambientes com baixa temperatura devem ser capazes de operar sem perda de lubrificação, uma vez que a redução do ponto de fluidez do lubrificante nessas condições poderia acarretar danos ao equipamento. Entre os exemplos de aplicação em que os lubrificantes precisam manter o desempenho a baixas temperaturas estão, óleos de motor, óleos de engrenagem, óleos de transmissão e óleos hidráulicos.
Os óleos básicos são produzidos por meio do processamento de óleo cru, por meio de técnicas como a destilação, extração por solventes, desparafinação, hidrotratamento, hidrocraqueamento, entre outros. A etapa de desparafinação remove uma boa parte das moléculas responsáveis pela diminuição da fluidez em baixas temperaturas, as parafinas. Ainda assim, o óleo desparafinado contém algumas moléculas parafínicas, classificadas como n-alcanos. Os n-alcanos lineares que possuem cadeias de carbono com comprimento superior a C14 podem causar problemas em baixas temperaturas, mesmo em pequenas quantidades, afetando negativamente a fluidez do óleo.
Conforme os óleos parafínicos começam a diminuir em temperatura, os componentes cerosos começam a cristalizar, ocasionando a turbidez do fluído. A temperatura na qual isso acontece é chamada de ponto de nevoa, e é testada utilizando-se o método padrão ASTM D2500. Conforme a temperatura vai caindo, os cristais crescem nas placas, eventualmente formando estruturas tridimensionais parecidas com agulhas, que se aglomeram à medida que a temperatura é reduzida, aprisionando o óleo não cristalino dentro da matriz cerosa. Isso restringe o fluxo do óleo. A temperatura na qual esse processo ocorre é chamada de pour point (ponto de fluidez) do fluído. O método manual original com o qual isso é mensurado é ASTM D97. Também existem métodos automáticos para determinar o ponto de fluidez que estão correlacionados com ASTM D97, tais como ASTM D5949 (método de pulso de pressão automático), ASTM D5950 (método de inclinação automático), ASTM 5985 (método rotacional), ASTM D6982 (inclinação robótica) e ASTM D7346 (sem ponto de fluxo e ponto de fluidez).

Leia o restante do artigo na revista LUBES EM FOCO – edição 69, apresentada abaixo: