Shell produzirá Grupo III na Alemanha

87
Português
Español/Castellano
English

Óleos básicos Grupo III

Vista aérea da refinaria Shell Rheinland em Colônia, Alemanha. O Energy and Chemicals Park Rheinland da Shell está localizado perto de Colônia e é composto por dois locais: Wesseling e Godorf. Foto cedida por Photographic Services, Shell International Ltd.Por Boris Kamchev – 30 de janeiro de 2024

Óleos básicos Grupo III

Óleos básicos Grupo III – A Shell anunciou na semana passada planos para converter uma refinaria de combustíveis em Wesseling, Alemanha, para produzir óleos básicos API Grupo III.

A empresa cessará a produção de combustíveis, mas utilizará um hidrocracker existente para produzir óleo base.

A suspensão da produção de combustíveis faz parte do esforço da Shell para reduzir as emissões de carbono, mas a gigante da energia disse que é encorajada pela forte procura na Europa Ocidental por óleos e fluidos automóveis nos segmentos de veículos tradicionais e eléctricos, pela procura de refrigerantes para centros de dados e óleo branco demanda por aplicações médicas e agrícolas.

A refinaria em Wesseling faz parte do Parque de Energia e Produtos Químicos da Shell em Rheinland, no Rio Reno, que vai de Wesseling até a cidade vizinha de Godorf.

A empresa disse que a nova fábrica de óleos básicos terá capacidade para produzir 300.000 toneladas métricas por ano de óleos do Grupo III e que abrirá as instalações na segunda metade desta década.

“A reorientação desta refinaria europeia é um passo significativo para servir a nossa crescente base de clientes de lubrificantes com óleos básicos premium”, disse o Diretor de Downstream e Renováveis da Shell, Huiberto Vigeveno, em um comunicado à imprensa de 26 de janeiro.

“Esperamos crescimento no mercado de óleos de motor e transmissão de alta qualidade”, acrescentou. “No futuro, novas aplicações, como fluidos eletrônicos em carros elétricos e fluidos de resfriamento por imersão para data centers, criarão ainda mais demanda. Além disso, esses óleos básicos também serão usados para óleos brancos medicinais nas ciências biológicas e na agricultura”, disse um porta-voz da Shell.

Os fluidos de refrigeração são cada vez mais utilizados para gerir o calor gerado por servidores informáticos alojados em grandes edifícios semelhantes a armazéns, chamados centros de dados, um campo em expansão no sector da tecnologia da informação.

A capacidade nominal planeada da fábrica será equivalente a cerca de 9% da procura actual da União Europeia e a 40% da procura alemã de óleos de base, segundo a Shell.

O porta-voz disse que a produção da unidade convertida de Wesseling será usada principalmente internamente, mas que a empresa explorará oportunidades limitadas de vendas externas. “O principal mercado para entrega será a Europa.”

Um membro da indústria viu o anúncio tendo como pano de fundo o aumento das tensões geopolíticas no Médio Oriente e as interrupções no transporte marítimo através do Mar Vermelho e do Canal de Suez.

“Os preços dos óleos básicos do Grupo III foram impulsionados pela interrupção do trânsito através do Mar Vermelho de entregas de frete do Grupo III de fontes na Coreia do Sul e nos Emirados Árabes Unidos”, disse Denis Varaksin, comerciante de óleos básicos da DYM Resources, com sede em Berlim. Relatório Lube na segunda-feira.

Ele também confirmou que a demanda por óleos básicos do Grupo III na Alemanha deverá permanecer forte no longo prazo “apesar da mudança para veículos elétricos”.

“Além disso, o mercado de fluidos de refrigeração para servidores de computador está cada vez mais aquecido na Europa Ocidental e nos Estados Unidos”, acrescentou Varaksin.

Um aspecto fundamental da transformação de Wessleing é a eletrificação da recém-criada fábrica de óleos básicos.

A Shell prevê um futuro onde o processamento tradicional de petróleo bruto para combustíveis neste local seja substituído por práticas mais limpas e sustentáveis. A Shell disse que a conversão da unidade de hidrocraqueamento para a produção de óleos básicos do Grupo III deverá reduzir suas emissões operacionais de carbono, conhecidas como emissões de Escopo 1 e 2, em cerca de 620.000 t/ano.

A empresa pretende reduzir as emissões globais de gases com efeito de estufa, incluindo as queimadas pelos seus clientes, para zero até 2050. O seu anúncio de vender a sua unidade de refinação e petroquímica em Singapura faz parte destes planos.

O complexo do Reno continuará a processar petróleo bruto. Tem capacidade para processar 17 milhões de toneladas de petróleo bruto por ano, das quais Wesseling processa 7,5 milhões de toneladas.