Consequências da agitação excessiva em óleos lubrificantes

408

Marcos Thadeu Lobo

Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional de Suporte Técnico em Produtos. E atualmente exerce a função de Consultor Técnico Sênior.

Mancais de rolamento e engrenagens demandam certo torque para começar a se movimentar e permanecer em movimento, uma vez ele seja iniciado. O torque exigido para o início da movimentação é, usualmente, maior que o torque para manutenção do movimento e pode variar segundo alguns parâmetros.

Fotos estroboscópicas simulando agitação em óleo lubrificante de redutor de velocidades
Fotos estroboscópicas simulando agitação em óleo lubrificante de redutor de velocidades

 

A agitação de óleos lubrificantes é uma das ocorrências mais comuns que afetam a lubrificação de mancais de rolamento e engrenagens e é iniciada quando esses elementos de máquina agitam o lubrificante como conseqüência de sua tarefa operacional. Muitos maquinários têm mancais de rolamento e engrenagens lubrificadas por banho de óleo ou salpico, o que significa que devem operar com suficiente nível de óleo lubrificante de maneira a salpicar todas as superfícies metálicas em contato no interior do equipamento e iniciando-se, a partir disto, os problemas decorrentes da agitação do óleo lubrificante.

Agitação do óleo e o nível correto

figuras-3-o-nivel-correto-de-oleo-lubrificante-e-fundamental-na-minimizacao-da-agitacao-em-oleos-lubrificantes

figuras-4-o-nivel-correto-de-oleo-lubrificante-e-fundamental-na-minimizacao-da-agitacao-em-oleos-lubrificantes

O nível correto de óleo lubrificante é fundamental na minimização da agitação em óleos lubrificantes

Se o nível do óleo lubrificante se encontra por demais elevado em face de excessiva adição de óleo lubrificante durante a reposição de nível ou quando da troca da carga, o equipamento terá que dispor de mais energia mecânica para vencer a resistência aumentada gerada pelo excesso de lubrificante adicionado, sendo esta a base para a condição danosa que a agitação de óleos lubrificantes provoca.

Muito cuidado com o nível do óleo lubrificante
Muito cuidado com o nível do óleo lubrificante

Podemos comparar a citada situação com caminhar ao longo de uma praia. Se a água estiver no nível dos tornozelos, a pessoa poderá caminhar, ainda, com razoável facilidade. Contudo, se a maré subir ou se a pessoa aventurar-se em águas mais profundas, torna-se muito mais difícil caminhar e ela se cansará mais rapidamente. Situação similar ocorre com o torque de trabalho e a condição de operação de maquinários que utilizam mancais de rolamento ou engrenagens.

Níveis muito elevados de óleo lubrificante obrigam os elementos móveis a se mover, através do lubrificante, com mais dificuldade. Em conseqüência disto, haverá elevação temperatura de serviço, eficiência operacional diminuída, maior consumo da energia mecânica e elétrica e redução da vida útil tanto do equipamento como do óleo lubrificante (ex. diminuição da viscosidade com a elevação da temperatura; oxidação; formação de borras e vernizes etc.).

A viscosidade também é afetada

Agitação em excesso eleva a temperatura e degrada o óleo lubrificante
Agitação em excesso eleva a temperatura e degrada o óleo lubrificante

O nível do óleo lubrificante tem íntima correlação com uma propriedade de suma importância ao óleo lubrificante: a viscosidade. A viscosidade é a mais importante propriedade de um óleo lubrificante e deve ser selecionada levando-se em conta a rotação, a carga, a temperatura e a condição geral de operação do maquinário.

Se a viscosidade do óleo lubrificante se situar muito abaixo da necessária para separar adequadamente as superfícies metálicas dos elementos de máquina em movimento haverá, como conseqüência, contato metal-metal, excesso de atrito, desgaste prematuro de peças e falha catastrófica do maquinário. Se a viscosidade do óleo lubrificante estiver muito acima da recomendada, haverá resistência viscosa do óleo lubrificante ao deslocamento das partes móveis do equipamento com conseqüências similares a se ter nível de óleo lubrificante elevado demais. Ou seja, nenhuma das 02 situações é desejável para a boa operação do maquinário móvel ou industrial.

A escolha correta da viscosidade é de suma importância
A escolha correta da viscosidade é de suma importância

Por se efetuar a seleção correta da viscosidade e por se manter os adequados níveis do óleo lubrificante estaremos evitando a ocorrência de uma série de contratempos imprevistos e indesejáveis.

Cuidados básicos evitam falhas e paradas imprevistas
Cuidados básicos evitam falhas e paradas imprevistas

Figuras 9/10 – Cuidados básicos evitam falhas e paradas imprevistas

Outros artigos do Autor

Quando se utilizar lubrificantes sólidos?

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...
Cuidados básicos com os lubrificantes

6 cuidados básicos com os lubrificantes aumentam a confiabilidade

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Acompanhando o óleo de turbocompressor pelo teste RPVOT

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Análise termográfica: importante ferramenta na preditiva

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Ruler Test: Medindo o antioxidante no óleo lubrificante

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...