Volkswagen e Toyota devem anunciar novos investimentos bilionários em SP

Marca alemã pode fazer novo carro de entrada em Taubaté; japonesa quer fazer seu primeiro SUV brasileiro em Sorocaba

97
novos investimentos bilionários em SP
Linha de produção da Toyota em Sorocaba: investimento para fazer SUV

Novos investimentos bilionários em SP

Em poucas semanas Volkswagen e Toyota devem anunciar novos investimentos bilionários no Estado de São Paulo. É o que foi apurado junto a algumas fontes após declarações de Patrícia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico de São Paulo. Ela afirmou que nas próximas duas semanas o governador João Doria irá viajar à Alemanha para o anúncio de investimento no Estado de “uma empresa alemã do setor”, e depois seguirá para o Japão pelo mesmo motivo, “mas não vou adiantar quais são as empresas”, disse. A secretária divulgou a informação na manhã da quarta-feira, 21, em sua participação na cerimônia de inauguração do 27º Simea – Simpósio de Engenharia Automotiva, realizado pela AEA no Novotel Center Norte, na capital paulista.

Ambos os investimentos devem ser acima de R$ 1 bilhão, valor mínimo para que possam ser enquadrados no IncentivAuto, programa criado no início deste ano pela gestão Doria para incentivar fabricantes de veículos no Estado de São Paulo, que prevê a concessão de descontos de ICMS que começam em 2,5% para empresas que investirem R$ 1 bilhão, com geração de no mínimo 400 empregos, e vão subindo gradativamente até 25% de isenção para quem aportar acima de R$ 10 bilhões – caso da GM, primeira a aderir ao IncentivAuto, logo após ameaçar fechar ou reduzir suas duas fábricas no Estado.

Volkswagen

A Volkswagen deverá ser a primeira a fazer o anúncio do novo investimento, possivelmente antes do fim de agosto. Espera-se que o aporte seja feito em Taubaté (SP), a fábrica da empresa no Brasil que até agora recebeu a menor parte do programa em curso de R$ 7 bilhões para o período 2017-2020, aplicado principalmente para introduzir a plataforma global MQB nas plantas de São Bernardo do Campo (SP), onde são produzidos sobre esta base o hatch Polo e o sedã Virtus, e São José dos Pinhais, que este ano começou a fazer o SUV T-Cross.

Em Taubaté hoje são montados Gol, Voyage e Up! e é esperado que lá seja feito o investimento para produzir um novo modelo de entrada para substituir o Gol, que até poderá ter o mesmo nome, mas será um carro com arquitetura completamente diferente da atual. Antes disso, contudo, a plataforma MQB poderá chegar a Taubaté na forma de um SUV pequeno baseado no Polo, segundo informa o jornalista Fernando Calmon em sua coluna desta semana.

Toyota

O anúncio de novo investimento da Toyota deverá ser feito um pouco mais adiante, entre setembro e outubro. O mais provável é que o aporte seja destinado a ampliar a fábrica de Sorocaba (SP) para produzir lá o primeiro SUV nacional da empresa, possivelmente a partir de 2021. Não se sabe ainda se será uma variante do Yaris já fabricado lá ou a introdução de modelo sobre a plataforma TNGA (Toyota New Global Architecture) – sobre a qual já é feito o SUV compacto C-HR, que na Europa e Japão também tem versões com powertrain híbrido.

A Toyota informou já ter feito recentemente investimentos de R$ 600 milhões e contratado funcionários temporários para elevar a capacidade da fábrica de Sorocaba de 108 mil para 160 mil veículos/ano em três turnos, mas este mês encerrou o terceiro turno devido à queda de exportações para Argentina e deverá produzir cerca de 120 mil unidades das linhas Etios e Yaris, ambos com carrocerias hatch e sedã. Inaugurada em 2012, a planta foi projetada com possibilidade de ampliações que podem dobrar e até triplicar seu tamanho.

A Toyota está em fase final do investimento de R$ 1 bilhão – também candidato ao IncentivAuto – na fábrica de Indaiatuba (SP), onde já começou a produzir nova geração do sedã médio Corolla sobre sua plataforma global TNGA. O carro será lançado mês que vem em versões com novo motor 2.0 com injeção direta de combustível produzido em Porto Feliz (SP) e powertrain híbrido elétrico-flex importado do Japão – será o primeiro híbrido bicombustível etanol-gasolina do mundo e o primeiro modelo deste tipo produzido no País.